Denúncia de servidores da Semed dão conta de que secretária escolhe fornecedores antes de processo licitatório


Não é a primeira vez e, pelo que parece, não será a última, que o Radar recebe reclamações dos procedimentos administrativos adotados pela secretária municipal de Educação, Kátia Schweickardt,- caboclo dá até nó na língua, mas não diz esse nome, né mesmo meu povo?

É só lembrar da confusão criada pela gestora com a falta de fornecimento de merenda escolar que trouxe um desgaste medonho para o prefeito Artur Neto, em sua gestão passada, e que resultou até em processo no Tribunal de Contas da União (TCU).

Agora, segundo servidores da Semed, a secretária tem feito reuniões à portas fechadas para tratar de contratos que ainda nem existem, de licitações que ainda nem foram feitas, com novos fornecedores escolhidos ao seu bel prazer.

Isso estaria causando a maior dor de cabeça para servidores da área de Finanças da secretaria, preocupados em levar a culpa diante de uma inspeção dos órgãos de controle externo da administração pública.

Para mandar e desmandar, fazer e desfazer, a secretária teria “tirado de cena” seus subsecretários – agora ex-subsecretários – Luis Fabian e Frank Pinto, que ainda conseguiam conter o ímpeto da “chefa” da Semed em contratar novos fornecedores, sem seguir os ditames licitatórios regulares.

E, enquanto, a secretária se preocupa em escolher fornecedores, a má-gestão de recursos humanos da secretaria estaria causando a ausência de professores em 1.900 salas de aula nas escolas do município, mesmo o ano letivo já tendo começado. O Radar está de olho e está nas ruas para averiguar cada uma das denúncias. (Any Margareth)