Depois de gastos de R$ 1,5 milhão com uma campanha que era a cara do Negão” – foi a ALE quem fez – agora é a vez de um “pacto” com o nosso bolso


E o filho de uma amiga jornalista, 12 anos, que faz parte daquele grupo de mentes jovens antenadas com o mundo e com a informação, em frente à televisão, dá de cara com a campanha publicitária da ALE, no horário nobre de TV e tasca a pergunta: Mas, essas coisas não foi o Governo que fez? E chega até a ficar confuso se a campanha não era do Governo do Estado. Tá vendo? A gente bem que disse que aquela lambança não convencia nem criança. E com uma linguagem que mais parecia peça publicitária da época áurea de Amazonino com aquela sua mania de “fui eu que fiz” – que se duvidasse tinha feito até a mata e o rio. O pior é que ainda gasta R$ 1,5 milhão do dinheiro público pra falar de Ronda no Bairro, casas populares, geração de emprego no interior… – o povo do interior tá “p” da vida com essa estória porque quer saber cadê esses empregos. Ficou parecendo que o Governo do Estado, que já gastou em três meses mais da metade do orçamento pro ano inteiro, todo endividado, não tinha dinheiro pra fazer publicidade, e a Assembleia cumpriu a tarefa, fazendo aquele tipo de “bondade” igualzinha a que fez com o TJAM passando recursos públicos porque o pessoal tava (sic proposital) sem grana.

Pacto com o Detran

E parece que, dessa vez, quem está sem grana pra propaganda é o Detran. A mais nova campanha publicitária da ALE foi anunciada como “uma ideia do presidente Josué Neto” – pode ter certeza que o Radar vai captar quantos milhões essa campanha estará custando aos nossos bolsos – e segundo definição dos releases oficiais da ALE tem o objetivo de “mobilizar órgãos e entidades que atuam na organização do trânsito no Estado e formar uma frente de atuação com o objetivo de reduzir o número de acidentes” – já começou com discurso errado porque órgãos e entidades não deveriam precisar de “mobilização” já que são pagos (de novo com dinheiro público) pra cumprir essa função.

Pacto pela Vida

A campanha se chama “Pacto pela Vida”, nome bom, atinge a sensibilidade de quem ouve, mas dava pra fazer esse “pacto” e empreender uma campanha nacional pra mudar essa injusta, imoral e vergonhosa Lei de Trânsito – afinal as casas legislativas existem pra isso, não é mesmo? – onde não passa de mero crime culposo (sem intenção de matar) um cara bêbado, dirigir um carro, atropelar um monte de gente numa parada de ônibus, pagar fiança e responder em liberdade como se tivesse feito algo banal ao tirar a vida de semelhantes.

Vida de Professor

E será que não dava também pra fazer um pacto pela vida com os professores que trabalham em várias escolas diferentes, e ganham míseros salários, e não têm direito sequer a vale transporte e alimentação? – essas informações fizeram parte de discursos feitos por próprios parlamentares da ALE essa semana.

Mais um pacto

Assim como causaria mais efeito do que qualquer campanha publicitária para melhorar a imagem da ALE e de seus membros se reunir com o governador-professor José Melo e demovê-lo da ideia de tirar R$ 9,4 milhões da área de “Valorização e Formação dos Profissionais da Educação” e “Fortalecimento da Gestão Escolar” para pagar contas de água, luz e telefone. Faz esse pacto com ele, vai, por favor!