Deputada confirma denúncia do Radar: diabéticos sofrem com a falta de insulina (ver vídeo)


A denuncia feita pelo Radar de falta de medicamentos na Central de Medicamentos do Amazonas (CEMA) foi confirmada pela deputada Alessandra Campêlo (PMDB), em visita a sede do órgão. A parlamentar conversou com pacientes e constatou que um dos mais sérios problemas é a falta de insulina para pacientes diabéticos. Sem insulina essas pessoas correm risco de morte.

Mãe do paciente Vitor Martins de Lira, 28, que tem diabetes do tipo 1, a professora Francinete Martins de Lira disse que há dois meses espera a chegada da insulina Lantus. “Há dois meses, tenho vindo na Cema em busca dos medicamentos. A insulina Lantus é a mais importante porque o diabético tipo 1 não produz nenhum tipo de insulina – o pâncreas dele é parado. Ele precisa dessa insulina diariamente e estou comprando os medicamentos toda semana com recursos próprios, pois eu não posso deixar meu filho morrer por causa de uma irresponsabilidade do Governo”, contou a professora.

Os prejuízos no bolso dos cidadãos que precisam da rede pública de saúde são gigantescos. Segundo a professora, os gastos vão além da insulina, incluindo compra de agulhas, aparelho para medição da glicose e deslocamento diário até a Cema.

“Se somar tudo, o gasto mensal só com o tratamento da diabetes do meu filho gira em torno de R$ 2 mil. Infelizmente, não é só o Governo do Estado, mas também em nível municipal e federal que a saúde não é prioridade”, concluiu Francinete.

A deputada acompanhou de perto a situação de outros pacientes na Central de Medicamentos. Foi o caso de Emanuel Bruno da Silva Oliveira, 19, que há três meses também aguarda a insulina Lantus.

“Todos os dias eu ligo e eles dizem que não tem insulina. Quando eu chego aqui sou mal atendido e, inclusive, tiraram a recepcionista e hoje as pessoas ainda enfrentam uma fila quilométrica para esperar um medicamento que não tem”, denunciou Emanuel, que tem outro membro da família passando pelo mesmo drama. “A minha avó tem o mesmo problema que eu e está bastante debilitada devido à falta de insulina. A situação está péssima aqui’, afirmou.

Segundo Alessandra, que preside a Comissão da Mulher, das Famílias e do Idoso da ALE-AM, todas as denúncias que chegaram ao seu conhecimento serão transformadas numa representação junto ao Ministério Público Federal.

“Não há crise econômica que justifique o que o Governo está fazendo. Isso é crime, isso é quase uma tentativa de homicídio”, afirmou a deputada.