Deputados criticam suposta extinção da Seplancti pelo Governo


Os deputados que se autodenominam “independentes”  na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM), durante a sessão plenária desta quarta-feira (11), mostraram preocupação com a possibilidade de extinção da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento (Seplan-CTI).

O deputado estadual Sabá Reis (PR), que foi anunciado por Belarmino Lins (Pros) como o ‘líder dos independentes’, repudiou a extinção da secretaria, afirmando que, quando o governador Amazonino Mendes (PDT) enviar um Projeto de Lei do Executivo nesse sentido, o mesmo não será aprovado na Assembleia.

Segundo Reis, a possibilidade de extinção da Seplancti já causou inquietação e preocupação no segmento empresarial, comércio e outras instituições de classe, como o Conselho Regional de Economia do Amazonas (Corecon). “Um governo que se propõe a arrumar a casa não pode fazer isso sem planejamento”, afirmou, ao ressaltar que o Amazonas precisa de planejamento para crescer ordenadamente.

De acordo com o deputado Serafim Correa (PSB), a extinção de uma secretaria importante causa um resultado negativo para o Amazonas. Ele lembrou, que anos atrás, já existiram a extinção e fusão de outras secretarias. “Existiam pastas que foram extintas e trouxeram consequências ruins. Hoje existem motoristas que recebem salário de técnico fazendário, porque já vieram de uma outra secretaria e tudo ficou distorcido. É um erro histórico que foi cometido antes e espero que o governador não repita”, afirmou.

O líder do Governo na Assembleia, deputado Dermilson Chagas (PEN), afirmou que a extinção da Secretaria, no momento, é apenas um rumor criado por alguém que ele afirmou desconhecer.

Dermilson fez questão de ressaltar que o assunto ainda não está na pauta da reforma administrativa que está, segundo ele, sendo elaborada por Amazonino Mendes, e que deve ser encaminhada aos parlamentares da Assembleia em 15 dias.

O deputado não descartou a fusão ou extinção de secretarias, mas garantiu o bom funcionamento da máquina pública. “O Amazonas não perde seu rumo se ocorrer a fusão ou extinção de alguma pasta. O governador vai conduzir da melhor maneira, e assim que a Reforma Administrativa for feita, será enviada à ALE-AM para discussão dos parlamentares”, explicou.

“A Reforma não está pronta. Terminando a análise de dados da comissão de transição, o foco será a reforma”, concluiu.