Em fevereiro, Governo pagou mais de R$ 13 milhões em fretamento de aeronaves enquanto pacientes no interior morrem sem remoção


Melo e Avião Rico Capa

Essa matéria começou a ser feita por causa de e-mail desesperado enviado por um médico que trabalha no interior do Estado. Ele começa o e-mail dizendo: “Nos ajude! É um absurdo o que estão fazendo com os pacientes no interior. O governo além de não ter equipamento nos hospitais, ainda não paga a UTI aérea para realizar o TFD (Tratamento Fora do Domicílio) dos pacientes que precisam ser atendidos na capital, enquanto os aviões executivos do governador estão todos pagos”.

Diante desse apelo, o Radar decidiu averiguar os gastos do Governo com fretamento de aeronaves. Na contramão do discurso de crise do governador José Melo, assim como do falatório de que seu Governo tem prioridades, em apenas 20 dias deste mês – 04 de fevereiro a 24 de fevereiro foram pagos mais de R$ 13 milhões de fretamento de aeronaves da empresa Rico Taxi Aéreo Ltda. Os pagamentos foram feitos através da Secretaria da Casa Militar. (ver pagamentos publicados no site Transparência do Governo do Estado)

sec da casa militar

Clique na imagem para ampliar

E na secretaria de Estado de Estado de Saúde do Amazonas (Susam) também há gastos com passagens aéreas que ultrapassam R$ 500 mil, apenas nos dois primeiros meses do ano, mas não há qualquer relação com traslado de pacientes do interior do Estado para a capital. Ao lado da relação de pagamentos está escrito: “Passagens para o País”.

sec de saúde

Clique na imagem para ampliar

Sem transparência

Como o site Transparência do Governo do Estado não tem a menor transparência, já que não explica nada sobre a necessidade do fretamento dessas aeronaves, as rotas e os destinos, o mesmo acontecendo com as passagens aéreas para o País pagas pela secretaria de Estado da Saúde, o Radar entrou em contato a Secretaria de Comunicação do Governo do Estado (Secom) para obter esclarecimentos sobre o assunto.

Através de contato telefônico somos orientados a passar as “demandas” por e-mail. O Radar enviou e-mail com o seguinte teor para a Secom: “O Radar tem recebido denúncias de médicos do interior do Estado sobre os obstáculos para remoção de pacientes graves do interior do Estado para capital. Segundo eles, em contrapartida, o Governo do Estado gasta milhões com fretamento de aeronaves para outros fins. Como é de costume no Radar, averiguamos as denúncias e constatamos que apenas na Secretaria da Casa Militar houveram pagamentos tão somente no mês de fevereiro, de 04/02 a 24/02 que ultrapassam R$ 13 milhões (Site Transparência do Governo do Estado). No Site Transparência o Governo não explica qual a necessidade desses gastos com fretamento de aeronaves, qual a rota desses voos e com que finalidade foram realizados. Em busca das respostas para esses questionamentos estamos entrando em contato com a Secretaria de Comunicação do Governo. Sem mais para o momento, agradecemos. Any Margareth”

O e-mail foi enviado na tarde desta quinta-feira (25) mas, até agora, manhã de sexta-feira (26), não chegou qualquer resposta.

bebê sendo reanimadoEstado Terminal

Enquanto isso, o médico que enviou mensagem ao Radar continua sua súplica:  “A saúde no estado está em estado terminal, cooperativas não recebem e médicos sem estruturas no interior para o mínimo de cuidados necessários. Por favor nos ajude, nós no interior não temos voz ativa para solicitar ajuda aos nossos pacientes e nem equipamentos para atender em nossa cidade.
Não podemos deixar mais gente morrer por incompetência desses governantes !!!!!”

Junto com essa mensagem em tom de desespero, o médico envia uma foto de um bebê sendo reanimado através de ventilação motora.

Diante disso, não há como o Radar ficar surdo. E vamos terminar, com a pergunta feita pelo médico, que o Radar direciona para o Ministério Público do Estado, Defensoria Pública ou a quem mais de direito tem o dever de dar uma resposta: “Tem cidadãos morrendo no interior. Ninguém vai fazer nada?” (Any Margareth)