Flamengo é eliminado, Cruzeiro avança e Botafogo é goleado


flamengo_leonNão deu. A batalha teve luta de sobra, suor e até sangue – de Alecsandro em batida cabeça com cabeça com o companheiro Samir. Não foi o suficiente. O León repetiu o feito que ficou famoso no México e, seis anos depois do América-MEX de Cabañas, atualizou a versão do “Maracanazo” com a vitória por 3 a 2. Arizala e Boselli, que também marcaram gols no primeiro duelo entre as equipes, e Peña construíram o placar. André Santos e Alecsandro marcaram para os rubro-negros, que aos gritos de “vergonha” de 53.230 pagantes (60.451 presentes), deixam a Libertadores pela quarta vez na história sem passar pela fase de grupos. Em um jogo nervoso, com renda de R$ 3.091.047,50, a classificação para as oitavas ficou com os visitantes, que terminaram em segundo lugar do Grupo 7, com dez pontos e agora vão esperar o complemento da rodada, nesta quinta-feira, para saber seu adversário.

Após o apito final, o atacante Alecsandro lamentou o mau resultado, mas exaltou o desempenho do León.

– Para mim, que já tenho duas conquistas de Libertadores (por Inter e Atlético-MG), é um sentimento muito ruim. Sei o gosto de ser campeão da América. Peço desculpas aos 60 mil torcedores que vieram aqui. Mas é bom lembrar que o León jogou muito bem. Eles devem ter tido mais posse de bola que a gente. Não encaixamos a marcação. É difícil fazer gol sem a bola – disse o centroavante.

cruzeiro_golartCruzeiro

No jogo que era para ser a resposta do Cruzeiro em relação às manifestações de racismo dos peruanos na partida contra o Garcilaso-PER no Peru, a Raposa rebateu com gols no Mineirão o que passou na estreia da Taça Libertadores. A vitória por 3 a 0 foi mais do que uma vingança ao preconceito de parte da torcida da equipe de Cusco, mas a volta por cima com a classificação às oitavas de uma equipe que viu de perto o vexame de, pela primeira vez na história, ser eliminada da competição ainda na primeira fase.

Diante do estádio com ótimo público (mais de 41 mil pagantes), a Raposa não teve a menor dificuldade em atropelar o time peruano, conforme havia previsto o diretor de futebol Alexandre Mattos ainda no Peru, revoltado com o tratamento recebido no país vizinho. Sem forçar muito, Ricardo Goulart, Bruno Rodrigo e Júlio Baptista balançaram as redes e fizeram a alegria dos pouco mais de 44 mil cruzeirenses que estiveram no Gigante da Pampulha.

sanlorenzo_botafogoBotafogo

A vaga na mão há duas rodadas terminou em eliminação. O sonho de ir longe no retorno à Libertadores 17 anos depois acabou precocemente na primeira fase. Após tropeçar em casa para o Unión Española, do Chile, na rodada anterior, o Botafogo, mesmo com o retorno de El Tanque Ferreyra, não deu conta da árdua tarefa de pontuar contra o San Lorenzo, na Argentina. Na noite desta quarta-feira, o Alvinegro foi vítima do caldeirão que virou o Nuevo Gasômetro, em Buenos Aires, e saiu derrotado por 3 a 0. Villalba e Piatti, duas vezes, marcaram os gols da vitória que classificou o time de coração do Papa Francisco para as oitavas de final como segundo colocado do Grupo 2, com oito pontos.

Mas a festa em Buenos AIres só foi possível minutos depois do apito final. Se o equatoriano Independiente del Valle fizesse mais um gol e ganhasse por dois de diferença no Chile, o time se classificaria no lugar do San Lorenzo. Mas o jogo, de muitas viradas, terminou num incrível e insuficiente 5 a 4. Foi como um gol no Nuevo Gasômetro. A Argentina, que já classiificou quatro times para a próxima fase, pode terminar com todos do país nas oitavas se o Newell’s Old Boys ao menos empatar em casa com o Nacional de Medellín, da Colômbia, nesta quinta-feira. Já o Brasil amarga pela primeira vez três clubes eliminados na fase de grupos do torneio: além do Botafogo, Flamengo e Atlético-PR caíram.

Fonte: GE