Greve na PM?!?! Mas, as mensagens publicadas no Radar não eram meros “rumores apócrifos” para “gerar intranquilidade ”?


Greve-polícia O pessoal aqui do Radar chegou até a pensar que tinha dado uma daquelas vexatórias “barrigadas” – jargão jornalístico que significa publicar matéria errada ou falsa, com estardalhaço, geralmente por pressa de checar informações e desleixo com a notícia, apenas pra conseguir ibope.  Chegamos a suar frio com a possibilidade de ter pagado o maior mico, ou seria melhor dizer, o maior king Kong. Afinal, ninguém menos que a Secretaria de Segurança Pública do Estado, comandada por um coronel PM, Paulo Roberto Vital, desmentiu tacitamente a mera possibilidade de greve de policiais militares no Amazonas, classificando de “rumores apócrifos” as mensagens publicadas no Radar que estariam circulando no seio da corporação mobilizando para o “aquartelamento”, ação de paralisação da categoria quando os membros da corporação ficam reclusos nos quartéis sem ir às ruas fazer policiamento.

Sites de notícias, principalmente aqueles ligados ao Governo, desqualificaram as mensagens em artigos e matérias dizendo se tratar de nada mais do que trama de adversários para desestabilizar o Governo do recém-empossado do professor José Melo. E, na nota oficial da Secretaria de Segurança Pública, junto com os desmentidos sobre a greve na PM, o pessoal aqui do Radar sentiu até uma ameaça velada de processo. “Ao mesmo tempo em que mantém o senhor Governador do Estado informado da situação, busca (a SSP) identificar a procedência de tais noticiais e responsabilizar criminalmente seus autores, se for o caso”, “avisava” o secretário.   Mas, em contrapartida, lembramos que antes de postar a matéria sobre as mensagem de mobilização para a greve tratamos de constatar que os e-mails e mensagens pelo WhatsApp  que chegaram ao Radar eram reproduções de textos  transmitidos  por celulares identificados  como sendo de policiais militares, exatamente por isso demos credibilidade às informações.

Qual não é a nossa surpresa quando vimos, neste sábado (26) blogs e sites de notícias da cidade, inclusive os que insistiram em manter a versão oficial de que não existia a menor possibilidade de greve porque a tropa estava sob controle, amanhecerem confirmando a greve e falando até que o Governo já tem um “plano B” para o caso dos policiais militares cruzarem os braços. E, se tem “Plano B”, ele não foi feito agora, não é mesmo? E se não foi feito agora é porque já sabiam da existência da greve, certo? Então porque insistir numa versão oficial que não prepara a população para algo que, infelizmente pode acontecer, e que esperamos sinceramente que não aconteça. Mas, caso ocorra, que a população tenha os mesmos direitos de se precaver como fazem os policiais que, através dessas mesmas mensagens de mobilização da corporação, dão dicas de segurança para outros companheiros de farda e suas famílias não se colocarem em risco com certas atitudes como ficar retirando dinheiro em caixas eletrônicos. E aí, o pessoal aqui do Radar chegou à conclusão que era melhor ter pagado um king Kong e se expor a humilhação pública da “barrigada”, do que contra todos os ensinamentos dos mestres das redações de jornais, insistir numa versão oficial que vai contra os interesses da população. (Any Margareth) 

Greve-polícia 2