MP encontra 40 corpos de bebês em hospital


necroterio-bebesO diretor Rodolfo Acatuassú Nunes, do Hospital Universitário Pedro Ernesto, em Vila Isabel, na Zona Norte do Rio, será chamado a dar explicações sobre o acúmulo de 40 corpos de bebês no necrotério da unidade, sendo que alguns há mais de quatro anos.  A denúncia foi feita pela equipe do Fantástico, no domingo (13). O hospital é referência em partos de alto risco no Rio.

O diretor diz que uma sindicância foi aberta para mudar os procedimentos. O Ministério Público vai exigir a identificação por exames de DNA de todos os corpos. O hospital terá de apresentar a lista com o nome e endereço dos pais.

“Espero esclarecer a situação de cada criança e que isso se encerre com um sepultamento digno de todos os corpos que encontramos ali”, disse a promotora Ana Cristina Huth Macedo.

O diretor se defendeu, dizendo que “está havendo um problema social, de as pessoas não buscarem os corpos dos seus filhos, que infelizmente evoluem mal e acabam falecendo”.

Segundo a promotora Ana Cristina, no necrotério da unidade foram encontrados corpos amontoados, mal armazenados. “Uma situação assim estarrecedora. É difícil até de contar o que encontramos lá”, disse a promotora.

Um exemplo é o caso de uma mulher que é usuária de crack e vive num prédio abandonado no Morro da Mangueira, na Zona Norte, teve um filho no local onde mora, em julho 2012. O bebê depois foi levado para o hospital. A tia do bebê conta que a criança foi para a incubadora porque nasceu prematuro. Ele nasceu com seis meses e menos de 800 gramas e segundo os médicos tinha poucas chances de sobreviver e em agosto daquele ano acabou morrendo no hospital. O corpo foi levado para o necrotério, onde deveria ter ficado somente até a liberação dos documentos para o sepultamento.

Como a mãe do bebê já havia abandonado a criança, o hospital avisou ao Juizado da Infância e da Juventude, como determina a lei nesses casos. Mais de um ano depois, em dezembro de 2013. O Juizado procurou o hospital para confirmar as datas e encerrar o processo, mas descobriu que o corpo do bebê ainda não havia sido enterrado.

A juíza determinou que o Ministério Público investigasse. A promotora da juventude foi até o hospital com dois peritos para saber o que tinha acontecido e descobriu os corpos de 40 bebês. Quinze bebês não tinham sequer identificação.

“A gente precisa entender porque eles estão nessa situação. Se houve falha da família, houve falha do hospital. Quando a criança é deixada no hospital e ela precisa ser sepultada, o hospital solicita a intervenção do judiciário. É muito comum isso acontecer. Aí o Juizado intervém para que o sepultamento seja feito”, explicou a promotora.

Fonte: G1