“Não vão me dar o partido pra disputar, mas não vão receber o meu apoio”, diz Davi Almeida


Durante coletiva de imprensa realizada na sede do governo, na tarde dessa quarta-feira (14), as respostas dadas pelo governador interino e presidente licenciado da Assembleia Legislativa do Estado, Davi Almeida em sua maioria, tiveram um tom politicamente correto. Ele chegou a denominar o ex-governador Amazonino Mendes de “grande administrador desse Estado” e afirmou que não iria “brigar com Omar”.

Mas, por vezes, Davi Almeida deixou escapar sua contrariedade pelo fato de ter sido preterido pelo líder do seu partido, o PSD, em nível estadual, senador Omar Aziz, como candidato da sigla nas eleições suplementares. Omar escolheu Amazonino (PDT) como candidato a governo. Um dos momentos em que Davi deixou ver o quanto está contrariado foi quando disse: “Não vão me dar o partido pra disputar, mas não vão receber o meu apoio”.

Assim como o Radar antecipou, Davi Almeida quis manter uma posição de neutralidade ao disparar em dado momento que não iria apoiar “nem o criador, nem a criatura”, se referindo a Amazonino Mendes que foi líder político do agora senador Eduardo Braga. Mas não negou ter conversado com Braga, minimizando a importância de tal fato ao dizer ter falado com vários candidatos ao Governo nas eleições suplementares.

Outro momento em que Davi Almeida não conseguiu disfarçar a irritação foi quando contou que recebeu uma proposta classificada por ele de “ridícula”. Sem precisar dizer quem foi que fez a proposta, já que só poderia vir de quem manda no partido, no caso Omar Aziz, o governador comentou “Recebi um convite ridículo, renunciar para ser vice de Amazonino”, contou ele, entre risos.

E logo depois de contar essa história, Davi Almeida declarou: “São duas as minhas decisões, não renunciar pra ser vice e nem apoiar Amazonino. (Any Margareth)

Foto: Erik Oliveira