Omar Aziz e Arthur Neto não deveriam mendigar pela Zona Franca, diz deputado


vicente lopesO governador Omar Aziz (PSD) e o prefeito  Arthur Neto (PSDB) não deveriam estar “mendigando” em Brasília para defender  a Zona Franca de Manaus, porque o modelo é um direito não apenas do Amazonas, mas também do Brasil. Ao mesmo tempo, os dois governantes  não estão fazendo favor a ninguém ao defender os interesses do Amazonas, porque foram colocados no poder pelo povo. Por isso têm a obrigação e o dever constitucional de defender o polo industrial de Manaus.

Essa é a opinião do deputado Vicente Lopes (PMDB), manifestada nesta terça-feira 18, durante um aparte ao colega Sinésio Campos (PT), o primeiro a abordar o assunto, no plenário da Assembleia Legislativa. Ao elogiar a preocupação (“verdadeira, honesta,  responsável”) de Sinésio com a prorrogação da Zona Franca de Manaus, quando lamentou  que políticos amazonenses tenham de “implorar” pelo voto a favor do modelo,  Vicente Lopes cobrou a responsabilidade do governo federal (referência à promessa de campanha de Dilma Rousseff, da prorrogação por mais 50 anos).

De acordo com o deputado, seja qual for o partido do presidente do Brasil, tem de defender os interesses de todo os Estados do país, “indistintamente”.  Dirigindo-se diretamente a Sinésio, líder do governo e do mesmo partido da presidente Dilma, Vicente Lopes  disse que se sente “incomodado” quando  vê o “institucional do governo federal” (divulgação) falando de “alguns benefícios e obras” para o Amazonas,  “como se tivessem sido feitos a fundo perdido”.

“Na verdade, não está (o governo federal) fazendo favor algum.  O Estado do Amazonas está pagando ou vai pagar o empréstimo da ponte (Rio Negro), do BNDES para a duplicação  da Estrada Manoel Urbano (ligando Manaus a Manacapuru), da duplicação da Avenida das Torres. Então o governo federal não tem direito de cobrar essa fatura do povo do Amazonas, porque o povo do amazonas  é que pagará essa conta”, afirmou.

Vicente Lopes também fez referência ao agora ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao lembrar uma visita dele a Coari.  “Não foi verdadeiro, nem tampouco honesto quando o governo federal veio para cá inaugurar um pingo de solda do gasoduto Coari-Manaus,   com a promessa enganadora  ao povo de Manaus e aos municípios por onde passa o gasoduto,  de que haveria  mudança da matriz energética. E ao mudar a matriz energética,   teria uma diminuição no preço das tarifas   energéticas para os consumidores. E todos nós sabemos que é uma inverdade”, afirmou o deputado,  que se definiu como “um pernambunense que nasceu em Pernambuco e graças a Deus veio para o Amazonas ainda criança” .

O governador Omar Aziz (PSD) e o prefeito  Arthur Neto (PSDB) não deveriam estar “mendigando” em Brasília para defender  a Zona Franca de Manaus, porque o modelo é um direito não apenas do Amazonas, mas também do Brasil. Ao mesmo tempo, os dois governantes  não estão fazendo favor a ninguém ao defender os interesses do Amazonas, porque foram colocados no poder pelo povo. Por isso têm a obrigação e o dever constitucional de defender o polo industrial de Manaus.

Essa é a opinião do deputado Vicente Lopes (PMDB), manifestada nesta terça-feira 18, durante um aparte ao colega Sinésio Campos (PT), o primeiro a abordar o assunto, no plenário da Assembleia Legislativa. Ao elogiar a preocupação (“verdadeira, honesta,  responsável”) de Sinésio com a prorrogação da Zona Franca de Manaus, quando lamentou  que políticos amazonenses tenham de “implorar” pelo voto a favor do modelo,  Vicente Lopes cobrou a responsabilidade do governo federal (referência à promessa de campanha de Dilma Rousseff, da prorrogação por mais 50 anos).  

De acordo com o deputado, seja qual for o partido do presidente do Brasil, tem de defender os interesses de todo os Estados do país, “indistintamente”.  Dirigindo-se diretamente a Sinésio, líder do governo e do mesmo partido da presidente Dilma, Vicente Lopes  disse que se sente “incomodado” quando  vê o “institucional do governo federal” (divulgação) falando de “alguns benefícios e obras” para o Amazonas,  “como se tivessem sido feitos a fundo perdido”.

“Na verdade, não está (o governo federal) fazendo favor algum.  O Estado do Amazonas está pagando ou vai pagar o empréstimo da ponte (Rio Negro), do BNDES para a duplicação  da Estrada Manoel Urbano (ligando Manaus a Manacapuru), da duplicação da Avenida das Torres. Então o governo federal não tem direito de cobrar essa fatura do povo do Amazonas, porque o povo do amazonas  é que pagará essa conta”, afirmou.

Vicente Lopes também fez referência ao agora ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ao lembrar uma visita dele a Coari.  “Não foi verdadeiro, nem tampouco honesto quando o governo federal veio para cá inaugurar um pingo de solda do gasoduto Coari-Manaus,   com a promessa enganadora  ao povo de Manaus e aos municípios por onde passa o gasoduto,  de que haveria  mudança da matriz energética. E ao mudar a matriz energética,   teria uma diminuição no preço das tarifas   energéticas para os consumidores. E todos nós sabemos que é uma inverdade”, afirmou o deputado,  que se definiu como “um pernambunense que nasceu em Pernambuco e graças a Deus veio para o Amazonas ainda criança” .