Presidente da ALE instala CPI da Pedofilia onde até Nicolau consegue uma vaga de membro


josue neto instala cpiDepois de muita discussão em plenário (e fora dele também), e de enviar o requerimento de sua criação para a Procuradoria da Casa, de se esperar até depois do carnaval, de ser adiada pra depois das eleições e de não sei quantas (perdi a conta) reuniões de líderes, e de muito desgaste na imprensa e nas redes sociais, o presidente da Assembleia Legislativa do Estado (ALE), deputado Josué Neto (PSD), anunciou em reunião extraordinária na tarde desta quarta-feira (9), a instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito para investigar os crimes de abuso e exploração sexual de crianças e adolescentes no Amazonas, não sem antes garantir uma composição em que os deputados que mais polemizaram todas as vezes em que a comissão não foi instalada ficassem apenas como membros da CPI ou como suplentes, coincidentemente (?) em igual situação que o deputado Ricardo Nicolau, que apesar de estar como réu em processo no TJAM e com pedido de afastamento do cargo de corregedor da Casa feito por outros parlamentares também conseguiu uma vaga – com quais intenções todo mundo já sabe.. A justificativa dada pelo deputado-presidente para tal composição é da proporcionalidade partidária na Casa. Segundo Josué Neto, a reunião que definiu a composição, a abrangência e a instalação contou com a participação de 18 deputados.

Foram indicados para compor a CPI como membros titulares os deputados Abdala Fraxe (PTN), também escolhido presidente; Orlando Cidade (PTN), escolhido relator; Ricardo Nicolau (PSD), Conceição Sampaio (PP) e Luiz Castro (PPS) são membros titulares e David Almeida (PSD), Tony Medeiros (PSL), José Ricardo (PT) e Vera Castelo Branco (PTB), suplentes.

Ao anunciar os nomes, o presidente Josué Neto disse que esta definição foi tomada por todos os deputados que estavam presentes na reunião, e fez questão de reafirmar que nenhum dos 24 deputados é contra a instalação da CPI, muito menos a favor da prática de pedofilia.

A CPI da Pedofilia já começa a funcionar nesta quinta-feira (10), com a primeira reunião para organizar um cronograma de trabalho e o início das investigações.

Avaliação

Ao avaliar a composição, o deputado Luiz Castro, autor do pedido de instalação da CPI, considerou que seria mais coerente se a presidência e a relatoria tivessem sido designadas aos deputados que já atuam na área da defesa dos direitos de crianças e adolescentes.
Mas ponderou que, regimentalmente teve que aceitar a composição e a sua indicação como membro da minoria e, por respeito ao presidente. Porém, o deputado afirma que vai avaliar com muito cuidado e serenidade o encaminhamento dos trabalhos, e a sua permanência como membro da comissão.
Luiz Castro destacou o compromisso com o movimento social e pretende conversar com as lideranças das organizações de combate à violência contra crianças e adolescentes  e de defesa dos direitos humanos.
Cerca de 40 organizações defendem a instalação da CPI da Pedofilia, com a participação de deputados que tem um histórico de luta em defesa dos direitos de crianças e adolescentes.  Para as lideranças, a comissão tem que ser um instrumento legítimo de investigação dos esquemas de abuso e exploração sexual de menores no Amazonas e de combate à corrupção.