Procuradoria aprova criação da CPI da Pedofilia


presidente da ALE, Josué Neto, e deputado Luiz Castro, autor do requerimento de criação da CPI

Presidente da ALE, Josué Neto, e deputado Luiz Castro, autor do requerimento de criação da CPI

Após quase um mês de análise, a Procuradoria-geral da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) emitiu, hoje (11), parecer favorável à instalação da Comissão Parlamentar de Inquérito da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, a CPI que vai investigar os casos de pedofilia no Estado.

Autor da proposta que cria a CPI, o deputado estadual Luiz Castro, aguarda a reunião adiada para amanhã (12), que irá instalar e definir os membros da comissão, bem como a abrangência das investigações, que tem como fato concreto Coari, mas se estenderá a outros municípios.
O parlamentar explicou que o conteúdo do pedido e sua forma atendem a todos os requisitos constitucionais de uma CPI: fato concreto, tempo de trabalho e estimativa de custo. A CPI que conta com a assinatura de 23 deputados, vai investigar também as denúncias de corrupção e desvio de verbas públicas que alimentam a rede de pedofilia em Coari.
A reunião que decidiria hoje os membros da CPI foi novamente adiada, devido a audiência pública sobre o movimento grevista dos servidores da Suframa – que terminou às 13h – e a falta de um quórum mínimo de 13 deputados para o proceder a escolha dos membros da Comissão, de acordo com o presidente da Casa, Josué Neto.
O deputado Luiz Castro ressaltou a importância de os membros da CPI serem engajados na luta contra a exploração sexual infantil. “A Comissão tem que ser composta por quem já trabalha em defesa dos direitos das crianças e adolescentes, caso contrário, será falha”, assinalou o deputado.