PT decide ficar neutro no segundo turno


Em meio a uma reunião com gritos e até ameaças o Diretório Estadual do Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu não apoiar nenhuma das duas candidaturas que estão no segundo turno da Eleição Suplementar para o governo do Amazonas. A decisão foi tomada de forma unânime, neste sábado (12) durante uma reunião com 150 filiados.

O presidente estadual do PT, Sinésio Campos, disse que apesar das desavenças e discussões o partido conseguiu chegar a um acordo.

“Decidimos hoje e ficou tudo claro. Os filiados não estão liberados a fazer campanha para qualquer candidato no segundo turno”, afirmou.

O deputado José Ricardo, que foi candidato ao governo pelo PT, afirmou que o partido cairia no descrédito se apoiasse um dos candidatos, pois, de acordo com ele, seria uma falta de coerência falar contra os candidatos no primeiro turno e depois se aliar aos mesmos.

“As duas candidaturas não nos representam. Não teria sentido apoiar um dos dois, porque é distante do nosso projeto para o Amazonas. Recebemos ligações das pessoas pedindo que nós não apoiássemos ninguém, e os pedidos foram mais dos que não são filiados”, disse, ao ressaltar que agora trabalha para uma candidatura em 2018.

O vereador Sassá da Construção Civil foi criticado durante a reunião por ter declarado apoio ao candidato Amazonino Mendes (PDT). Ao final da votação do diretório ele foi abordado por alguns militantes mais exaltados que o ameaçaram de agressão física, caso permanecesse com o apoio à Amazonino.

“Eu vou dar é um ‘tapa’ se alguém vier pra cima de mim. Eles falam tanto em golpista mas eles são. Eu tenho um posicionamento e vou apoiar o Amazonino. Alguns desses militantes não tem ideologia e só querem ir na força. O PDT sempre esteve ao nosso lado. Não vou aceitar ninguém falando coisas ruins de mim”, disse o vereador após ser afastado, por seguranças, dos militantes que pediam explicações.