Relatório da Comissão Processante “sumido” e irmão do presidente da Câmara de Coari ganha contrato de R$ 515 mil


presidente-da-camara-de-coariCom esta matéria, e mais algumas que vamos postar, fica fácil concluir às respostas para duas perguntas. Primeira pergunta: Por que os membros do TCE que estavam fazendo inspeção nas contas da Prefeitura de Coari – aquela que foi suspensa por liminar da desembargadora, lembra? – estavam enfrentando dificuldades impostas por secretários e funcionários pra terem acesso a documentos e informações? Segunda pergunta: Por que apesar de ter sido concluído, no início de abril, e entregue à Mesa Diretora da Câmara de Coari, o relatório final da Comissão Processante com pedido de cassação de Adail Pinheiro instalada pelos vereadores da Casa está sumido há mais de duas semanas e ninguém fala sobre o assunto, nem de passagem.

Assim como ocorreu no ano passado quando de repente “sumiu” o relatório final da CPI para investigar indícios de superfaturamento em dispensas de licitação e fraude na contratação de empresas pela Prefeitura de Coari, há duas semanas que o Radar tenta contato com vários vereadores de Coari, principalmente os que fazem parte da comissão, para saber por onde anda o relatório da Comissão Processante com pedido de cassação de Adail, instalada no dia 18 de fevereiro, mas ninguém atende ao telefone ou então os celulares estão fora de área.

Na terça-feira passada (08), dia de sessão plenária na Câmara de Coari, era para o relatório ter sido lido em plenário e posto em votação, mas nem entrou na pauta. Na quarta-feira (09), segundo e último dia de sessão plenária semanal, o relatório também podia ter sido levado a plenário, mas nem houve sessão por falta de quorum, ou seja, os vereadores nem apareceram pra trabalhar.

E assim como ocorreu no ano passado quando coincidentemente – será coincidência? – empresa do irmão do presidente da Câmara Municipal de Coari, vereador Antonio Adenilson Menezes Bonfim, o Dêca, como é conhecido politicamente, ganhou uma Pregão presencial, diz que pelo menor preço, no valor de R$ 1,5 milhão, desta vez ganhou de novo e fechou contrato com a Prefeitura de Coari no valor de R$ 515 mil. A empresa é S.Z.M.Bonfim – ME, que são as iniciais do nome do irmão de Dêca, Sebastião Zenilson Menezes Bonfim. O texto do objeto para contratação é igualzinho o publicado no ano passado: “contratação de empresa para Locação de Maquinas Pesadas, Caminhões, Caçambas e Equipamentos para Terraplanagem,para atender as necessidades da Secretária Municipal de Obras – SEMOSP”.

E assim como a publicação feita em Diário Oficial no ano passado, a Prefeitura não especifica quais as obras a serem feitas com essas máquinas e equipamentos, e nem onde serão feitas. Não tem nem mesmo o valor total do contrato que teve que ser calculado. Traz apenas o valor unitário de cada máquina e equipamento. A publicação está no Diário Oficial dos Municípios do dia 26 de março, edição 1064. Em 2013, após a coincidência (?) de surgir o contrato com o irmão do presidente da Câmara, o relatório final da CPI para apurar fraudes em licitação reapareceu rejeitando todas as denúncias contra o prefeito Adail Pinheiro. Na época o Radar conseguiu ter acesso e publicou dois relatórios, do mesmo dia, com as mesmas assinaturas, um de 18 páginas inocentando o prefeito, e outro relatório, de 144 páginas, que seria o original onde os vereadores, através de diligências e depoimentos inclusive de empresários corroboravam todas as acusações de fraudes em licitações e superfaturamento de contratos

Agora, após esse novo contrato com o irmão do presidente da Câmara, só resta esperar pra ver o que vai acontecer com o relatório da comissão processante. (Any Margareth)

plenário-da-Câmara-de-Coari