Você conhece o “efeito Adail”?


fantasma-adailLá das bandas de Coari, através dos antenados leitores do Radar, chegou sinais sobre algo que, dizem eles, estaria afetando muitas pessoas em Coari e em Manaus, denominado “efeito Adail”. Os sintomas seriam calafrios, tremores, dores de cabeça e perda de sono por causa de pesadelos terríveis, sendo “agarrado” por escutas telefônicas. E, dizem nossos parceiros lá de Coari, que teria gente fazendo de tudo pra se livrar do “efeito Adail”, desde novena até “trabalho” com pai de santo.

Pior efeito

E nossas fontes coarienses dizem que os piores sintomas do tal “efeito Adail” estão, neste momento, no Judiciário já que são esperadas para as próximas matérias do Fantástico as receptações telefônicas de juízes muito “íntimos” do prefeito.

Achou o rumo

Outro sintoma do “efeito Adail” foi o Ministério Público do Estado (MPE), após seis anos, ter achado o rumo de Coari. Já está na cidade o coordenador do Centro de Apoio Operacional de Inteligência, Investigação e de Combate ao Crime Organizado (Cao-Crimo), promotor de Justiça, Fábio Monteiro.

Efeito no Legislativo

Sintomas graves do “efeito Adail” também surgiram, ontem, em vereadores da Câmara Municipal de Coari. Eles descobriram que quatro deputados estaduais entregaram novas provas contra Adail Pinheiro ao Ministério Público Estadual (MPE) reafirmando pedido de intervenção em Coari, entre elas, o resultado da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Câmara de Coari, instalada para investigar dispensas de licitação milionárias e fraudes em licitação, realizadas no ano passado. O resultado da CPI só o Radar deu: dois relatórios, datados do mesmo dia, um com 144 páginas acusando o prefeito  (e mostrando provas) dessas irregularidades nas licitações, e outro de 18 páginas, inocentando o prefeito. E os sintomas no Legislativo municipal foram agravados depois de saberem que já tem repórter fazendo matéria sobre isso.

Em estado grave

O vereador que apresentaria um quadro gravíssimo do “efeito Adail”, seria o presidente da Câmara Municipal de Coari, Antonio Denilson Menezes Bonfim, o Dêca, como é conhecido politicamente. A razão para tal estado grave é que os repórteres descobriram matéria que também só o Radar publicou mostrando que, logo após surgir o relatório da CPI inocentando o prefeito, o irmão de Dêca,  Sebastião Zenilson Menezes Bonfim, ganhou contrato da Prefeitura de Coari de R$ 1,5 milhão.

Plim, Plim

E o “efeito Adail” pôde ser visto, ontem, até na Globo que decidiu determinar ao Youtube, alegando direitos autorais,  que retirasse do ar todos os vídeos postados com reproduções de matérias do Fantástico. Por isso, e tão somente por isso, é que o Radar retirou não só os vídeos, mas todas as matérias postadas com informações sobre reportagens do Fantástico. Até porque, desde o mês de sua criação, março do ano passado, mês em que saiu também a primeira matéria sobre o que estava acontecendo em Coari, que o Radar nunca utilizou (e nem precisou) uma informação, um documento da Operação Vorax, ou qualquer outro material sobre Adail Pinheiro de outros veículos de comunicação. Todos estão em nossos arquivos, com acesso que tem sido liberado para qualquer outro companheiro da imprensa. Sem problemas!