62º Festival Folclórico do Amazonas atrai 60 mil pessoas para Ponta Negra

Foto: Altemar Alcantara/Semcom

Um público de 60 mil pessoas prestigiou as apresentações de mais de 70 grupos folclóricos durante os 12 dias de festa do 62º Festival Folclórico do Amazonas. Pelo segundo ano consecutivo, o evento aconteceu no Anfiteatro do Complexo Turístico da Praia da Ponta Negra, na zona Oeste. O festival chegou ao fim nesse sábado (23).

Promovido pela Prefeitura de Manaus, por meio da Fundação Municipal de Cultura, Turismo e Eventos (Manauscult), o Festival Folclórico do Amazonas apresentou a disputa dos grupos da categoria Bronze e Prata que contam com quadrilhas, cirandas, danças tradicionais, nordestinas, internacionais, garrote, cacetinho, tribos, boi-bumbá, entre outros de diferentes bairros de Manaus. Os grupos foram contemplados por meio do edital nº 02/2018, da Manauscult.

Encerrando o festival se apresentaram a quadrilha tradicional Unidos na Roça, a ciranda Rosas de Ouro, quadrilha tradicional Manto Azul, quadrilha cômica Vítor e Vitória, dança nordestina Cangaceiros do Juazeiro, quadrilha tradicional Unidos do Alvorada na Roça, garrote regional Esplendor, quadrilha tradicional Caipira Rastapé na Roça e, por fim, quadrilha cômica Fiapos na Roça.

Para o diretor-presidente da Manauscult, Bernardo Monteiro de Paula, a presença do público engrandece e dá a importância que cabe ao festival.

“É maravilhoso ver a população prestigiando a cultura popular. Ver o público presente, conferindo esses guerreiros que chegam a ensaiar por seis meses, é emocionante. Fico feliz em poder tocar a ideia do prefeito Arthur Virgílio de trazer essa grande festa para a Ponta Negra. E claro, tudo isso só foi possível por conta da parceria com os grupos folclóricos”, avaliou Bernardo.

Diversidade

Pela primeira vez no festival, o consultor de vendas Rafael Cunha falou sobre a diversidade apresentada pelos grupos no tablado da Ponta Negra.

“É incrível. Tem muita coisa diferente, interessante, que prende a atenção. Essa foi a primeira vez que vim e fiquei impressionado como cada dança apresenta algo diferente”, contou Rafael que estava acompanhado da esposa e da filha.

Uma das danças a se apresentar no último dia do festival, a quadrilha Manto Azul, levou para o tablado o tema “preservação da natureza”, com participação especial da cantora Márcia Siqueira.

“Apresentamos o tema natureza, uma luta contra o desmatamento, mas sem perder nossa originalidade, a tradição da nossa quadrilha. Temos um artista, o Branco Marques, que idealizou todo esse tema e um coreógrafo trabalhou com a gente os movimentos de água e remo, tudo isso era novo”, comentou Francilon Silva. A quadrilha que é do Petrópolis, zona Sul, levou 60 brincantes ao festival.

Além das danças, o 62º Festival Folclórico do Amazonas contou com a Rota dos Chefs comandando a feira gastronômica durante todos os dias do evento. No cardápio, além das comidas típicas, pratos gourmet e internacionais, com preços variando entre R$ 5 e R$ 15.

A apuração da nota dos jurados deverá acontecer nesta segunda-feira, 25, às 14h, no Les Artistes Café Teatro, Centro, quando os vencedores serão conhecidos.