A imagem e semelhança do pai!

Apesar desse domingo, 11 de agosto, ser Dia dos Pais, resolvi não falar de pais, mas sim de filhos. E decidi fazer isso ainda há pouco, quando escutei minha filha falar certas coisas que me calaram fundo na alma. Coisas do tipo: “não é o meio ambiente que precisa dos seres humanos, os seres humanos é que precisam do meio ambiente, preservá-lo significa manter a vida de gerações futuras no planeta terra”.

Ela comentava comigo sobre o atual momento do País, onde um homenzinho burro – preciso dizer quem é? – vê a preservação do meio ambiente como um entrave ao desenvolvimento do País. Não consegue enxergar – ou até enxerga, mas fingi que não – que a maior riqueza que temos é exatamente nossa fauna e flora de onde poder vir a cura para muitos dos males do mundo, significando cifras astronômicas para os cofres nacionais e ainda preservar a vida do planeta tão castigado por catástrofes naturais, que nada mais são do que a ação predatória do homem no planeta nas últimas décadas. O que acabo de escrever também são consequência das palavras da minha filha.

Esse não é apenas um dos momentos em que ela e sua irmã me surpreendem com posicionamentos que, na minha opinião, vão muito além de pessoas da sua idade e da sua geração, uma geração que, sem querer generalizar, parece estar mais ligada em ter do que ser. Tempos em que ostentar riqueza nas redes sociais, parece valer mais do que ter conhecimento e riqueza cultural. Onde pessoas acham o máximo ridicularizar outras, fazer discurso de preconceito e ódio. Onde a moda é ser fútil, consumista, idólatra, grosseiro e ignorante.

Essa gente é quem aplaude exatamente o homenzinho burro que não se importa se nossos rios vão ficar cheios do mercúrio da mineração e vão matar nossa gente, porque só o que interessa é o dinheiro imediato e entregar nossas riquezas, nos transformando novamente em “capitania hereditária”, antes de Portugal e agora dos Estados Unidos.

E ao ouvir elas falarem coisas que calam fundo no coração e na alma, eu vejo que minha missão de “pai” foi cumprida. Sim! Falo pai porque tive que fazer as duas funções, de pai e mãe, mas não falo isso para minimizar a importância dos homens no núcleo familiar e na sociedade, até porque conheço homens e pais maravilhosos, cultos, sábios, sensíveis e amorosos.

Falo de missão cumprida, porque sempre acreditei que os filhos nada mais são do que a imagem e semelhança dos pais. Resguardadas as exatas proporções, exatamente o que diz na Bíblia sobre a imagem e semelhança de Jesus Cristo com Deus.

Então, nesse Dia dos Pais, o que eu mais desejo aos pais é que, nesse exato momento, eles estejam cheios de alegria e orgulho, vendo a imagem e semelhança deles em seus filhos, e que Deus queira que seja semelhança de gente do bem, com amor verdadeiro pelo semelhante e pelo Brasil.