A prova incontestável de um crime

O tempo é o senhor de todas a verdades. Nem sei quem foi que criou essa máxima, mas lembro que minha mãe, uma mulher de pouquíssimo tempo de escola e muita sabedoria de vida, vivia repetindo. E, como de costume, este é mais um ensinamento que provou não haver contestação já que a verdade realmente surge com o tempo, não importa que todos queiram escondê-la.

Então, o momento da verdade chegou! A prova incontestável de que foi cometido o crime de genocídio no Brasil e que milhares de pessoas poderiam ter sido salvas se o governo de Messias Bolsonaro tivesse comprado as 70 milhões de doses da vacina Pfizer/BioNTech, que foram oferecidas ainda em 2020, cujas primeiras doses teriam sido entregues ainda em dezembro daquele ano. Caso isso tivesse acontecido, aí sim os cidadãos brasileiros teriam apenas uma “gripezinha”.

As provas do que estou dizendo estão por todo o país e não é diferente no Amazonas. Nos últimos dias, têm chegado notícias de famílias inteiras que testaram positivo para Covid-19, mas todos as pessoas dessas famílias com esquema vacinal completo, apresentam sintomas leves da doença, algumas até mesmo não têm sintoma algum.

Segundo declarações de membros dessas próprias famílias onde a infecção com coronavírus se generalizou, quem está tendo sintomas mais severos, como por exemplo, febre alta e dificuldade pra respirar, são as crianças que ainda não tiveram acesso a vacina. Bom lembrar que, se dependesse da vontade do governo federal, as crianças não seriam vacinadas.

As crianças do Brasil só serão vacinadas por causa de muita pressão da imprensa e de grande parte da população brasileira. As únicas atitudes do presidente da Nação Brasileira foi boicotar a vacinação de crianças, a exemplo do que fez com a imunização do restante da população, fazendo declarações em Lives e dando entrevistas propalando uns tais “efeitos colaterais da vacina” e chegando ao absurdo de dizer que a variante Omicron é bem-vima ao Brasil.

E foi esse mesmo governo federal que colocou os mais diversos obstáculos para imunizar a população brasileira, inclusive com o presidente Messias Bolsonaro fazendo campanha pública contra as vacinas e depois a negociação para a comprar de vacina prejudicada por causa da cobrança de propina.

As pessoas vacinadas contra Covid-19, em sua grande maioria, tendo apenas quadro clínicos leves da doença, enquanto as UTIs estão em sua quase totalidade ocupadas com cidadãos que, ou não se vacinaram, ou tomaram apenas a primeira dose da vacina.

A verdade está aí, na nossa cara: se a vacina tivesse sido comprada mais rápido, milhares de pessoas ainda estariam vivas. As provas do crime são claras e os culpados também. Mas, até agora, o crime de genocídio está sem punição.