A saúde pública no Amazonas está em “coma”

blankFoi apavorante constatar, nos últimos dias, que a redução do número de internações nos hospitais de pacientes com Covid-19 nem de longe fez melhorar os serviços de saúde nessas unidades hospitalares. O atendimento nos hospitais está cada vez pior, fazendo uma analogia, poderia se dizer que a saúde pública no Amazonas está em “coma”.

A pandemia de coronavírus trouxe uma realidade ainda mais cruel para a vida dos cidadãos amazonenses: se uma pessoa vai a um hospital com alguma enfermidade, ela ainda tem chance de ser atendida se for suspeita de coronavírus. Qualquer outra enfermidade, mesmo que o paciente esteja com muita dor, vão prescrever medicação e mandá-lo pra casa, sem sequer fazer um exame.

É o conhecido atendimento relâmpago, onde os médicos não se dão mais ao trabalho de sequer fazer “medicina de vidente”, aquela que eles dizem “imaginar” qual seja a doença. Agora eles não falam mais nada mesmo, apenas encaminham pro setor de medicação e mandam embora. Qualquer reclamação do paciente sobre o atendimento precário, a justificativa continua sendo que a prioridade é o atendimento dos infectados por coronavírus.

E enquanto não aparece quem decida obrigar o governo de Wilson Lima a tirar a saúde pública do “coma”, só resta ao nosso povo rezar pra não ficar doente.