Acusado do assassinato de ex-miss Kimberly Oliveira irá a Júri Popular por feminicídio

Foto: Divulgação

O acusado do assassinato da ex-miss Manicoré Kimberly Oliveira, Rafael Rodrigues, será levado a julgamento por júri popular. Esta foi a decisão do juiz titular da 2ª Vara do Tribunal do Júri da Comarca de Manaus, Anésio Rocha Pinheiro, que aceitou o pedido do Ministério Público e proferiu sentença nesta segunda-feira (12). O magistrado também manteve a prisão do réu.

Rafael Rodrigues é réu no processo n.º 0659697-14.2020.8.04.0001, acusado do assassinato da ex-miss Manicoré Kimberly Karen Mota de Oliveira, crime ocorrido em Manaus, em maio de 2020. Raphael foi denunciado aos crimes de feminicídio por motivo torpe e com recurso que dificultou a defesa da vítima.

O magistrado determinou que, após o trânsito em julgado da sentença – da qual a defesa do réu poderá recorrer – sejam intimados o Ministério Público e defesa, que terão cinco dias para apresentar as testemunhas que vão testemunhar em plenário ou sanar qualquer outra pendência. Após essa fase, o processo será marcado para ir ao plenário do júri.

“Portanto, diante do conjunto de provas anexadas aos autos, deve prevalecer a imposição do acusado responder pelo crime de homicídio qualificado, de modo que, atrelado a este mero juízo de acusação, compreendo ser medida que se impõe o julgamento do réu pelo Tribunal Popular”, finalizou o magistrado na sentença.

Prisão mantida

O juiz Anésio Pinheiro também manteve a prisão de Rafael Fernandez Rodrigues na sentença. Para o magistrado, os fundamentos da prisão ainda persistem pois o réu fugiu de Manaus após o crime, possivelmente tentando deixar o País, como explicado por ele próprio em interrogatório.

“Desse modo, verifica-se a necessidade de se manter a custódia antecipada do acusado, seja com o intuito de garantir a aplicação da lei penal, como também garantir a ordem pública, visto a periculosidade do réu, corroborada pelo modus operandi da conduta e a presença de materialidade e indícios de autoria”, disse o juiz em trecho da sentença.

Ver decisão no final da matéria