Adail Pinheiro depõe durante quatro horas à CPI da Exploração Sexual

Depoimento Adail

Prefeito Adail Pinheiro (de costas) depõe na CPI da Câmara que investiga exploração sexual de menores

Prefeito se recusou a dar detalhes sobre o inquérito da Operação Vorax. Parlamentares encontraram indícios de nepotismo e incoerências entre depoimentos do prefeito e de seus assessores

O prefeito de Coari (AM), Adail Pinheiro, prestou nesta terça (27) depoimento à CPI da Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes, na Câmara dos Deputados. Iniciado por volta das 11h da manhã, o depoimento do prefeito se estendeu até as 14h, em caráter reservado.

“O depoimento indica que há um nepotismo claro no município, que há muita promiscuidade entre o público e o privado, com a utilização de recursos públicos para fins particulares. Isto está muito caracterizado. O prefeito falou disso sem nenhum tipo de problema”, disse a presidenta da CPI, deputada federal Erika Kokay (PT-DF).

Em conversa com jornalistas, após a sessão, Erika disse ainda ter encontrado diversas contradições entre o depoimento do prefeito Adail Pinheiro (PRP-AM) e os dos assessores e ex-assessores do prefeito, ouvidos pela CPI na tarde de segunda-feira (26). “Neste depoimento [de Adail] nós conseguimos pontuar uma série de contradições que são bastante esclarecedoras para a CPI, para que possamos inclusive prosseguir as investigações”, disse ela.

Novos convocados de Coari

Os parlamentares da CPI também pretendem convocar outras pessoas do município de Coari para prestar depoimento, a partir das informações levantadas nas oitivas das últimas sessões. Devem vir a Brasília para depor o empresário Átila Yurtsever, da Rico Táxi Aéreo, a juíza estadual Ana Paula Medeiros Braga e o sargento da PM amazonense Antônio Aguiar.