Anúncio Advertisement

Adivinha quem é o relator da Lei Orçamentária Anual (LOA) e do Plano Plurianual (PPA)?

Tá fácil gente? Mas, pra facilitar ainda mais, a gente dá uma pista. Quem é o autor da emenda que mantém em 18 andares os prédios de Manaus, contrariando interesses dos que defendem o aumento para 25 pavimentos, entre eles o próprio prefeito de Manaus? Agora ficou ainda mais fácil adivinhar, não é mesmo? É esse mesmo que você está pensando, o vereador Walfran Torres, que foi o escolhido para relatar a LOA e o PPA, projetos encaminhados pela Prefeitura de Manaus à Câmara Municipal de Manaus, onde ficam definidas as receitas do município e onde, e como, vão ser gastos esses recursos. E entre esses gastos estarão incluídas as emendas no valor de R$ 300 mil para cada vereador relatadas por ninguém menos que o próprio Walfran Torres, num valor total de R$ 12,3 milhões – isso se estiverem incluídos os vereadores de oposição. Em contrapartida, Walfram Torres se disse convencido de que o aumento no número de pavimento dos prédios de 18 para 25 andares era o melhor para o crescimento urbano de Manaus e sua emenda ao Plano Diretor mantendo os prédios em 18 andares desapareceu como por encanto.  Também, o que é uma emendazinha recusando o aumento de uns poucos andares nos prédios da cidade diante de R$ 300 mil que dá pra fazer várias emendas, não é mesmo? E como pensar em prédio quando o montante de R$ 12,3 milhões pode ser um “gasto” definido pelos vereadores em bases eleitorais que podem até definir uma eleição, não é mesmo? Isso é que é ter lucro, né gente?

Ensinando a gastar

Tem até “professor” para ensinar onde os vereadores vão poder “gastar” o dinheiro destinado às suas emendas. Numa reunião presidida pelo vereador Walfran Torres, o subsecretário de Orçamento e Projetos da Semef, Lourival Litaiff Praia, e técnicos da secretaria, estiveram na Câmara para dar orientações de como fazer essas emendas.

Falando mal

E ainda teve gente, como o advogado Félix Valois, – e agora meia cidade junto com ele – falando mal dos vereadores de Manaus e comentando sobre “negociação” de votos aos Plano Diretor em  troca de benesses. Quanta maldade dessa gente!

Nome apropriado

E os leitores do Radar, que estavam achando complicadíssimo entender esse negócio de Orçamento Impositivo, aos moldes do que está ocorrendo no Congresso Nacional , dizem que agora está tudo explicado. Os vereadores ganham recursos no Orçamento, mas não podem esquecer de aprovar as propostas ao Plano Diretor de interesse da Prefeitura. Tá claro o que significa “impositivo”?

E o Serafim?

Mas, tem leitor do Radar que diz estar mortinho de curiosidade pra saber, porque o vereador Marcelo Serafim que fazia previsões preocupantes de caos urbano com o aumento na altura dos prédios de Manaus, de repente, está pra lá de zen -energizado por forças positivas do universo . Ou será que nesse caso seria melhor dizer que está energizado por alguma força “impositiva”?