Algoz da judoca Maria Portela, russa sai com olho inchado e carregada do tatame

Getty

Algoz de Maria Portela nas oitavas de final da categoria até 70kg do judô das Olimpíadas de Tóquio -quando venceu a brasileira após decisões polêmicas da arbitragem-, a russa Madina Taimazova levou a pior em sua luta na semifinal B contra a japonesa Chizuru Arai.

Além de ser derrotada, ela ficou com um impressionante hematoma no olho direito e precisou sair carregada do tatame após sofrer um estrangulamento que finalizou a luta.

Mesmo machucada e com um curativo no rosto, Taimazova passou por uma avaliação médica na Arena Nippon Budokan, foi liberada para disputar o bronze contra a croata Bárbara Matic e venceu no golden score, garantindo assim a medalha para o Comitê Olímpico Russo.

Além da situação clínica, a russa ainda enfrentou -ao longo de sua trajetória em Tóquio- novas polêmicas envolvendo a arbitragem e mais um longo duelo no “golden score” (espécie de prorrogação no judô).

No primeiro momento que gerou opiniões controversas na luta contra a japonesa, o árbitro mandou parar o duelo alegando que Taimazova havia desistido, sendo que ela não desistiu e Arai estava próxima de uma finalização.

Em seguida, foi a vez da russa se sentir prejudicada em lance de revisão do VAR para um possível waza-ari (para muitos, mais claro que o contestado por Portela).

Pouco depois, Taimazova sofreu o estrangulamento que levou ao fim da luta com vitória por ippon da japonesa após 12 minutos de golden score. Antes de superar Maria Portela, Taimazova havia vencido a grega Elisavet Teltsidou nas quartas de final.

A soma do tempo de todos os combates de Taimazova na quarta, incluindo uma luta no tempo regular de 4 minutos e um ippon aplicado aos 32 segundos, é de 41 minutos e 33 segundos. Equivalente a pouco mais de dez lutas no tempo regular. Vale lembrar que, devido ao fuso horário, todas as lutas da russa foram realizadas entre a manhã e a tarde, no horário japonês.

Antes de vencer Maria Portela, Taimazova já havia enfrentado a espanhola Maria Bernabeu, no tempo regular de 4 minutos. Depois de vencer a brasileira nas quartas, ela aplicou um ippon na grega Elisavet Teltsidou aos 32 segundos de luta, para se classificar à semifinal. Só de golden score, foram 23 minutos e 39 segundos.