Alunos da UEA pedem retorno imediato dos restaurantes universitários nas unidades da Capital e do Interior e organizam manifestação

Nesta segunda-feira (21), alunos de cursos da Saúde, da Universidade Estadual do Amazonas (UEA), pretendem realizar uma manifestação pedindo o retorno das atividades de forma híbrida e, principalmente, o funcionamento dos Restaurantes Universitários (RU’s), que é de extrema importância para quem estuda nas unidades do interior e da Capital e passa por dificuldades financeiras.

Conforme as denúncias, muitos universitários vêm enfrentando dificuldades nesta época da pandemia da Covid-19, o que faria dos restaurantes uma solução para quem enfrenta esse período. Há pelo menos dois anos, algumas escolas, centros educacionais, faculdades privadas, universidades, além de empresas, tiveram que fazer pausas devido ao sistema de contágio da doença se proliferar de forma rápida, mas, com o passar dos meses e com o período de transmissão mais leve, alguns desses órgãos já retornaram suas atividades presenciais, o que não é o caso da UEA, e os alunos se sentem prejudicados, pois para estudar, mesmo que de forma telepresencial, ainda precisam se alimentar.

Pelo que foi relatado ao Radar, os alunos que possuem a carteira de estudante da UEA já solicitaram esse pedido de retorno dos RU’s (restaurantes universitários), mas o que recebem são somente promessas de retorno.

Em uma decisão da instituição, ficou a cargo da universidade oferecer ao alunos, durante toda a pandemia, os suprimentos necessários em relação à alimentação dos restaurantes. Por conta disso, no dia 03 de fevereiro, a UEA lançou uma nota, ressaltando que os restaurantes de Tabatinga e Parintins seriam homologados até dia 04 de fevereiro e da capital, até dia 11 de fevereiro. Sendo assim, as atividades retornariam regularmente nos restaurantes até a segunda quinzena de fevereiro.

Porém, em nova nota divulgada na última quinta-feira (17), a gestão decide não dar mais nenhum prazo para abertura do R.U, nem da capital e nem do interior. O motivo, em relação à capital, seria por conta de uma decisão judicial que teria supostamente suspendido a licitação do restaurante universitário em Manaus.

“A Universidade reitera que está tomando todas as providências para o retorno imediato dos serviços dos Restaurantes Universitários, para continuar atendendo à comunidade acadêmica, tão logo haja a nova decisão judicial que autorize o funcionamento”. Nessa nova nota, a Instituição não dá nem mesmo uma previsão para o retorno do restaurante universitário, nem os de Parintins e Tabatinga, que não tiveram nenhum possível problema na licitação.

Segundo os estudantes, a instituição precisa tomar alguma providência efetiva, pois mesmo havendo alguma decisão, os alunos, em desabafo à reportagem, afirmam que não podem mais esperar, sendo totalmente prejudicados, pois a gestão somente traz justificativas e nenhuma solução para o caso.