Amazonas apresenta crescimento de 1,8% na indústria

O Amazonas apresentou crescimento de 1,8% na indústria no mês de junho. O resultado foi positivo pelo segundo mês seguido, em maio o crescimento foi de 1,4%. Esse desempenho colocou o estado na terceira posição entre aqueles que tiveram desempenho positivo nessa comparação.

A taxa também posicionou a indústria amazonense acima da média nacional (-0,6%). O pior desempenho ficou para o estado do Rio de Janeiro com -5,9%. O grupo foi liderado pelo estado do Pará com 4,9%, ainda reflexo da retomada do setor extrativo.

Na comparação com junho de 2018, o crescimento de 5,4% colocou o estado na primeira posição dentro do mês. O segundo lugar coube a indústria gaúcha (3,5%) e o Pará ficou com a terceira posição (2,7%).

Na variação acumulada no ano de 2019, a indústria amazonense começou o ano com um acumulado de -9,7% em janeiro. De lá para cá ela vem se recuperando. Agora em junho este acumulado ficou em -0,7%. O que colocou o estado na sétima melhor posição do país. Este grupo é liderado pelo Rio Grande do Sul, onde a indústria já cresceu em 2019 8,0%; seguido do Paraná com 7,8% e de Santa Catarina com 4,7%.

Já o desempenho dos últimos doze meses, em junho, ficou em -2,5%. Indicando que o desempenho ainda está bem aquém do que ocorreu em 2018, quando em junho/18 este indicador apontava 10,3% de crescimento; fechando o ano passado com um crescimento de 4,5%.

Seis atividades da indústria local tiveram bom desempenho em junho: Maquinas e equipamento (92,3%), Outros equipamentos de transportes (34,7%), fabricação de equipamentos de informática e eletrônicos (16,7%), Fabricação de borracha e plástico (6,3%), Bebidas (3,6%) e Produtos de metal (0,5%). Derivados de petróleo (-11,9%), Impressão e reprodução de gravações (-2,8%), Industria extrativa (-1,1%) e Maquinas e equipamentos e materiais elétricos (0,9%); foram a atividades com desempenho negativo no mês de junho.

Entre os produtos com desempenho positivo, destaque para: aparelhos de ar condicionados, terminas de autoatendimento, motocicletas, peças para motocicletas, televisores, rádios automotores, micro system, peças para a indústria eletrônica, garrafas e garrafões, xaropes, refrigerantes, aço estampado e estruturas de ferro.

Com informações do IBGE