Amazonas já recebeu mais de 4 milhões de EPIs, aponta Ministério da Saúde

Foto: Reprodução

Mais de 4 milhões de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) foram doados pelo Ministério da Saúde para garantir a proteção dos profissionais de saúde que atuam na linha de frente do enfrentamento à Covid-19. O Ministério já realizou a doação de 216,6 milhões de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) para todo o país.

Entre os itens estão máscaras, aventais, óculos e protetores faciais, toucas, sapatilhas, luvas e álcool.

Os EPIs são usados por profissionais de saúde que prestam assistência ao paciente com Covid-19, como médicos, enfermeiros e técnicos em enfermagem, além da equipe de suporte que, eventualmente, precisar entrar no quarto, enfermaria ou área de isolamento. São de uso individual e se destinam a proteger os profissionais de possíveis riscos de contágio.

No total, o Ministério da Saúde já entregou ao Amazonas 4.773.884 EPIs, sendo 19.921 mil litros de álcool; 121.013 mil aventais; 456.700 mil luvas; 3.433.050 milhões de aventais; 270.800 mil máscaras N95; 49.900 mil óculos e protetores faciais; e 425.500 mil sapatilhas e toucas.

Apoio estratégico

A compra de EPIs é de responsabilidade dos estados e municípios. No entanto, devido à escassez mundial desses materiais, neste cenário de emergência em saúde pública, o Ministério da Saúde utilizou o seu poder de compra para fazer as aquisições em apoio irrestrito aos gestores locais do Sistema Único de Saúde (SUS) e, assim, fortalecer a rede pública de saúde no enfrentamento da doença em todos os estados.

Ao todo, o Ministério da Saúde já entregou aos estados 564,2 mil litros de álcool; 3,1 milhões de aventais; 36,9 milhões de luvas; 11,1 milhões de máscaras N95; 145,6 milhões de máscaras cirúrgicas; 1,9 milhão de óculos e protetores faciais; e 17,2 milhões de toucas e sapatilhas. Os materiais foram entregues para as Secretarias Estaduais de Saúde, responsáveis por definir quais os serviços de saúde vão recebê-los, a partir de um planejamento local.

Com a gradativa normalização dos mercados, a expectativa é que os gestores locais consigam novamente abastecer seus estoques com recursos que já são repassados pelo Governo do Brasil, além de recursos próprios.

(*) Informações do Ministério da Saúde