Amazonas pode recorrer à Venezuela para conseguir oxigênio

A principal empresa fornecedora de oxigênio do governo do Amazonas informou que identificou a disponibilidade do produto em suas operações na Venezuela e que, neste momento, está atuando para viabilizar a importação dele para a região. Empresa também disse que solicitou apoio aos governos estadual e Federal e que fez um requerimento à Anvisa para que a agência autorize a flexibilização temporária do percentual mínimo de pureza do oxigênio medicinal produzido no estado.

Segundo a White Martins, a demanda por oxigênio hospitalar aumentou em cinco vezes nos últimos 15 dias, alcançando um volume três vezes maior do que a capacidade de fornecimento da empresa.

A saída para a crise, contudo, pode estar na importação de oxigênio da Venezuela.

Os hospitais de Manaus enfrentam um colapso pelo aumento dos casos da covid-19. Nesta quinta-feira, as unidades de saúde ficaram sem oxigênio. O estado teve que enviar pacientes para outras seis regiões, inclusive Brasília.

O Amazonas já registrou mais de 219 mil casos da covid-19 e 5.879 mortes desde o início da pandemia. Pelo menos 1.564 pacientes seguem internados no estado.