Amazonas registrou mais de 1,2 mil mortes violentas em 2017

 

O Amazonas registrou 1.271 mortes violentas intencionais em 2017, ou seja, pelo menos três pessoas foram assassinadas de forma cruel, desumana ou impiedosa por dia no Estado. O número representa um aumento de 6,89% se comparado com o total de mortes violentas registradas em 2016: 1.189.

O Amazonas está na 19ª colocação entre os Estados brasileiros e em 2º entre os Estados da região Norte, com menos casos apenas que o Pará (4.465 mortes).

No mesmo período, o Brasil registrou 63.880 mortes violentas, o maior número de homicídios da história recente do país. Os dados fazem parte do 12º Anuário de Segurança Pública divulgado nesta quinta-feira (09/08), em São Paulo, durante o Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

De acordo com o levantamento, o número de vítimas de homicídios cresceu 9,38% no Amazonas passando de 1.023 registros em 2016 para 1.119 no ano passado.

Porém, na manhã desta quinta-feira, o secretário de Segurança Pública do Amazonas, coronel Anézio Paiva, informou, durante coletiva de imprensa, que o número de homicídios registrados entre os meses de janeiro a julho deste ano diminuiu 11,2% na comparação com o mesmo período em 2017.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Amazonas (SSP-AM), foram registrados 530 homicídios no Estado nos primeiros sete meses deste ano, a maioria com características de execução, contra 597 registrados em 2017.

Segundo o 12º Anuário de Segurança Pública, o número de roubos de veículos aumentou 28,12% no Amazonas: em 2016 foram 3.588 veículos roubados e, em 2017, este número chegou a 4.597 no Estado.

Em contrapartida, o relatório aponta que os números de estupro, tentativa de estupro e latrocínios diminuíram no Estado se comparados os registros de 2016 e 2017. Foram registrados 958 estupros e 152 tentativas de estupro em 2016. Os números reduziram em 2017: foram 865 estupros e 118 tentativas de estupro no ano passado. Quanto aos latrocínios, os números passaram de 93 casos no Amazonas em 2016 para 76 em 2017.