Amazonas tem 13 barragens de elevado risco, aponta procuradora-geral do MPE

Divulgação.

O Amazonas possui 13 barragens com elevado risco, segundo a procuradora-geral de Justiça do Ministério Público do Estado (MPE-AM), Leda Mara Nascimento Albuquerque. Ela discutirá providências nesta quarta-feira (30), durante reunião com representantes de órgãos de fiscalização ambiental, da Eletrobras e da Mineradora Taboca.

“Nós temos aqui no Estado 13 barragens e o que mais nos preocupa é que todas elas têm nível elevado de risco. Você vê que na barragem de Brumadinho, o nível de risco era baixo, já o nível de risco das nossas barragens é alto e ainda se soma a essa situação o fato de que hoje, por exemplo, Balbina está cercada por comunidades, por hotéis e pousadas que se instalaram naquela área e que estão sob risco grande se algo de pior acontecer. Temos que tomar uma providência, penso que o momento nos impõe isso, o Ministério Público vai cumprir com seu dever de fiscalizar essa questão do trato ambiental e, sobretudo, o trato e atenção que se deve dar à vida humana”, informou a procuradora-geral do MPE.

Durante a reunião, serão discutidas as providências adotadas para manutenção e utilização de tecnologias, visando a prevenção de sinistros de ordem ambiental, social e humana, referentes à Usina Hidrelétrica de Balbina, localizada no município de Presidente Figueiredo (a 130 quilômetros de Manaus).

De acordo com a Procuradora-Geral, a questão ambiental exige atenção especial e cuidado com as comunidades que vivem em áreas vizinhas às barragens existentes no município. Também participarão da reunião os promotores de Justiça que atuam nas Promotorias especializadas na defesa do meio ambiente.

A reunião ocorrerá um dia após a Comissão de Meio Ambiente da Ordem dos Advogados do Brasil – seccional Amazonas (OAB-AM) pedirá, nesta terça-feira (29), que o Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas (Ipaam) vistorie, em caráter de urgência, as barragens de minérios localizadas no Estado, especialmente as localizadas município de Presidente Figueiredo.

Com informações do MPE-AM.