Amazonas terá o ICMS mais caro sobre o óleo diesel do País, reclama o presidente da CDL

“Nós vamos ser o estado com o ICMS mais caro do óleo diesel do Brasil”, a declaração é do presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas de Manaus (CDL-Manaus), que fez parte de uma comitiva de empresários que foi à Assembleia Legislativa do Amazonas (ALEAM), na última quarta-feira (29), interceder junto aos deputados para que não aprovassem o aumento de 2% no ICMS de vários produtos, entre eles, combustíveis derivados do petróleo.

“No ano passado o governo já aumentou de 17% para 18% (o ICMS). Agora que, em todos os estados vão baixar (imposto), o Amazonas aumenta novamente. Somente o Amazonas virá com 20% de imposto sobre o óleo diesel. O diesel significa vida para nossa população. Toda a nossa carga é transportada pagando diesel. Toda carga que pára em Manaus e vai para o interior precisa de óleo diesel. O Amazonas vai ter o diesel mais caro do Brasil e isso não é justo com a gente”, afirmou Ralph Assayag.

O presidente da CDL-Manaus afirmou que os deputados são diretamente responsáveis pelas demissões que ocorrerão nas lojas por conta do aumento dos impostos e a conseqüente redução de custos.

“Você que está desempregado não é culpa nossa. É culpa de ter passado a lei dentro da assembléia. A Assembleia vai ser culpada porque nós estamos lavando nossas mãos em relação a isso. Fizemos nossa parte. Gritamos e estamos discutindo e mostrando que o erro esta muito grande em cima dessa lei”, afirmou Ralph Assayag.

O pior reflexo, segundo Ralph Assayag, é a redução do poder de compra do trabalhador. Conseqüentemente, sem compra do consumidor os lojistas precisam reduzir custos. “A nossa discussão e o nosso alerta é para mostrar que este valor quando repassado pelos empresários ou lojistas para os produtos, a população perde poder de compra. E quando perde poder de compra, vão comprar menos, e comprando menos as lojas tendem a redução de custos e, infelizmente têm que demitir”, disse Ralph Assayag.

Veja itens que serão afetados com aumento de 2% no ICMS:

• 1 – Tabaco, charutos, cigarrilhas e cigarros;
• 2 – Bebidas alcoólicas, inclusive cerveja e chope;
• 3 – Armas e munições, suas partes e acessórios;
• 4 – Artefatos de joalheria e ourivesaria e suas partes;
• 5 – Perfumes, águas-de-colônia, produtos de perfumaria ou de toucador e preparações cosméticas, produtos de beleza ou de maquiagem;
• 6 – Iates, barcos a remos, canoas, motos aquáticas e outros barcos e embarcações de recreio, esporte ou lazer;
• 7 – Aeronaves de recreio, esporte ou lazer;
• 8 – Veículos automotores terrestres importados do exterior;
• 9 – Veículos automotores terrestres nacionais com capacidade superior a 2.000 c.c. (dois mil centímetros cúbicos);
• 10 – Prestação de serviço de comunicação de televisão por assinatura;
• 11 – Combustíveis líquidos e gasosos derivados ou não de petróleo, exceto querosene de aviação – QAV, gasolina de aviação – GAV e gás de cozinha;
• 12 – Óleo diesel;
• 13 – Concentrado, base edulcorante para concentrado e extrato para bebidas não alcoólicas.

Foto: Erik Oliveira