Amazonense concorre à presidência da União Nacional dos Estudantes (UNE)

A educação é defendida por Bruna Brelaz como agente de mudança na vida das pessoas

Foto: Yuri Salvador

A amazonense Bruna Brelaz é a candidata do movimento “Contra-Atacar – É Tudo Para Ontem” à presidência da União Nacional dos Estudantes (UNE), que será realizado no próximo domingo, dia 18. O processo eleitoral acontecerá durante o congresso da UNE, que já começa nesta quarta-feira (14). Até agora, mais de 6 mil estudantes estão inscritos e mais de 1 mil entidades entre DCES, CAS, DAS, Atléticas se inscreveram também.

O congresso vai debater temas da educação como ensino remoto, acesso e permanência na universidade, aumento abusivo das mensalidades e no aspecto do movimento estudantil, devemos nos desdobrar em construir novos caminhos da nossa organização enquanto estudantes, como vamos fortalecer ainda mais a estrutura do M.E.

E no domingo, a diretoria plena da entidade, vai votar e eleger a próxima direção que conduzirá a UNE no próximo período.

Trajetória 

Bruna é manauara, filha de trabalhadores autônomos, negra e fruto da escola pública.A educação mudou sua vida e é isso que a move na luta, garantir que todos os brasileiros tenham esta oportunidade. Iniciou sua trajetória no movimento estudantil secundarista em 2011, quando indignada com o aumento da passagem se juntou às grandes manifestações pela redução da tarifa.

Sua participação nestas mobilizações fez com que ela entrasse para o grêmio do Instituto de Educação do Amazonas. Em 2013 ingressou na Universidade Estadual do Amazonas (UEA), no curso de pedagogia através das cotas, onde continuou ativa no movimento estudantil. Foi eleita diretora do DCE e logo depois presidenta da União Estadual dos Estudantes do Amazonas (UEE-AM).

Em 2017 passou a integrar a executiva da UNE, na diretoria de Relações Institucionais e representou os interesses dos estudantes em Brasília. Foi também Conselheira Nacional do CONJUVE e em 2019 foi conduzida para tesouraria.

A menina que sonhava em ser cunhãporanga do boi bumbá caprichoso, saiu do Amazonas para lutar pelo seu país e hoje é estudante de Direito da FADISP. Se eleita para presidência da União Nacional dos Estudantes será a primeira presidenta nortista dessa entidade, além de ser a primeira mulher negra eleita para a posição. Bruna vai contar com a força dos estudantes para derrotar Bolsonaro e todos os inimigos da educação, do Brasil e da democracia.