Anúncio

Amazonino convoca servidores públicos para reunião de campanha eleitoral no Dulcila’s

O governador e candidato à reeleição Amazonino Mendes (PDT) convocou os servidores públicos a ‘comparecer’, nesta quarta-feira (3), às 20h, em uma reunião de apoio à sua candidatura realizada no Dulcila´s Festas e Convenções, na Ponta Negra, zona Oeste de Manaus.

O ‘convite’ foi feito para todos os servidores desde a última segunda-feira (1) pelos secretários de Estado aos chefes de Departamento, com a orientação para que não seja emitido nenhum documento físico que trate do ato de campanha. Os chefes de Departamentos – em sua maioria cargos comissionados do Governo – devem repassar o ‘convite’ aos demais servidores, sejam eles comissionados (que ocupam cargo de confiança), efetivos e temporários.

Segundo informações recebidas pelo Radar, a intenção da coordenação da campanha de Amazonino é levar, no mínimo, dez mil pessoas (leia-se: servidores públicos) ao Dulcila´s. Claro, todos os servidores devem fazer de conta que estão ali por livre e espontânea vontade – ou seria melhor dizer livre e espontânea pressão?

A reunião convocada por Amazonino é uma clara tentativa de driblar a recomendação emitida pelo Ministério Público Eleitoral, no dia 28 de setembro, para que cargos comissionados não fossem coagidos para atuar na campanha eleitoral. Segundo a recomendação, servidores que ocupam cargos comissionados da Secretaria de Estado de Infraestrutura (Seinfra) estavam sendo coagidos a trabalhar para a reeleição do chefe do Executivo.

Segundo o MP Eleitoral, a prática de ameaça a servidores comissionados para obrigá-los a participar de campanha eleitoral pode configurar, a depender das circunstâncias, abuso de poder político, que deve ser processado e punido por meio de Ação de Investigação Judicial Eleitoral (Aije).

A prática ilícita pode resultar na cassação do registro ou do diploma do candidato, além da decretação de inelegibilidade por oito anos, conforme o Artigo 22, inciso XIV, da Lei Complementar nº 64/90.

A coação foi denunciada em matéria publicada pelo Radar a partir de denúncias de servidores da Educação, da Saúde, da Infraestrutura, da Casa Civil e do Fundo de Promoção Social. De acordo com as informações recebidas pelo Radar, os servidores estavam sendo coagidos a participar de ‘bandeiradas’ e a ‘multiplicar’ as ações de Amazonino Mendes através de postagens e compartilhamentos nas redes sociais.

Ações de campanha pró-Amazonino incluíam, entre outros, a inserção do slogan “Eu voto no Amazonas” na foto de perfil nas redes sociais, especialmente no Facebook, republicações de postagens favoráveis a Amazonino, comentários em publicações positivas e negativas referentes ao Governo ou ao governador, além de terem que postar publicações enaltecendo o governo de Amazonino em todas as redes sociais.

Mas, reuniões com servidores públicos não é algo novo durante a campanha do governador Amazonino Mendes. Ele já fez uma ‘reunião-comício’ com servidores da Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror) e ganhou um secretário ‘cabo eleitoral’ quando o titular da pasta de Educação, Lourenço Braga, passou a promover várias reuniões com os profissionais da Seduc e seus familiares pró-Amazonino.

A última reunião, feita pelo governador e seu secretário de Educação, transformou o 11º Encontro Técnico de Gestores Escolares, realizado no Centro de Convenções Vasco Vasques, em ato de campanha de Amazonino. Os participantes do evento foram levados – em ônibus alugados – à casa de show Copacabana para participar de um ato de campanha em prol da reeleição do governador.