Amazonino substitui nove secretários e diz que mudança será radical

O governador do Amazonas, Amazonino Mendes (PDT) e seu vice-governador, Bosco Saraiva (PSDB), foram diplomados, nesta segunda-feira (2), pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-AM), para completarem o mandato de chefia no poder Executivo, do quadriênio 2014-2018. Ambos chegaram ao cargo através de eleição suplementar para substituir o governador cassado, José Melo (PROS) e o vice, Henrique Oliveira (SD).

Durante a cerimônia realizada no prédio anexo do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJAM), no bairro Aleixo, Amazonino oficializou a mudança em nove secretarias do Executivo. Ele disse que fez as escolhas com muito zelo eque a intenção é fazer uma reforma administrativa radical.

Bosco Saraiva assume a Secretaria de Segurança Pública (SSP), Sidney Leite ficara a frente da Casa Civil, Deodato Guimarães vai comandar a Secretaria de Estado da Saúde (SUSAM), José Augusto de Melo Neto será o novo secretário de Estado da Educação (Seduc). A Procuradoria Geral do Estado ficará a cargo de Paulo Carvalho, enquanto Alfredo Paes assume a Secretaria de Estado da Fazenda (Sefaz). Na Secretaria de Comunicação assume Célio Junior, a Secretaria de Estado da Cultura será comandada por Denilson Novo, e Janaína Chagas assume a Secretaria de Estado de Juventude, Esporte e Lazer (Sejel).

Mesmo esquecendo os nomes dos dois últimos secretários da lista no momento do anúncio, Mendes fez questão de ressaltar que está bem mental e fisicamente para governar. “Eu estou demais”, brincou.

Amazonino afirma que fez as escolhas com muito zelo, pois, de acordo com ele, a intenção é fazer uma reforma administrativa radical.

Em seu discurso, após ser diplomado, o governador saudou a família e amigos a quem ele chamou de queridos. Mendes fez reverencias a Gilberto Mestrinho como homem, segundo ele, inesquecível, imbatível e quem o preparou na vida pública. Emocionado ele também lembrou da falecida esposa Tarcila Prado de Negreiros Mendes.

O governador eleito ressaltou a importância dos eleitores para que ele chegasse ao 4º mandato de governador. Mendes destacou que o período ainda é de dificuldades financeiras no Estado que, segundo ele, está um caos.

“Eu amo essa terra, eu amo o nosso povo, eu amo o Amazonas. Eu tenho que agradecer o povo que votou democraticamente. Vamos enfrentar a maior dificuldade de todos os tempos. Precisamos tirar o Amazonas do caminho que estão Rio de Janeiro e Rio Grande do Sul, onde nem salários são pagos. Hoje, carregamos o peso de uma dívida milionária. O longo período que fiquei fora acompanhei o caos no Amazonas. Entendi que a política precisa não só de novos nomes, mas de um novo pensamento”, disse.

O governador citou a valorização dos profissionais do Estado e esboçou ações que ele considera importantes.

“Temos o árduo trabalho de arrumar a casa. Vamos garantir que nossos professores, médicos e policiais, trabalhem de forma digna. Vamos escolher a dedo as obras mais urgentes e acelerar as suas conclusões. Vamos rever os contratos que não interessam ao povo. Vamos defender a Zona Franca e garantir os empregos. Você que não votou em mim e no Bosco não será esquecido. Não existe inimigos. Assim vamos governar. Sem descriminar”, completou.

Amazonino afirmou que aos 77 anos tem o desejo e a determinação de ser simplesmente um bom governador. “Ter um governo ético, transparente e participativo. Essa gestão terá na história um lugar positivo”, concluiu.

Na cerimônia não estiveram presentes o governador David Almeida e o presidente da Assembleia Legislativa, Abdala Fraxe (Podemos). Ambos apenas enviaram representantes.