‘Ameaça velada’: Amazonas Energia leva medidor da casa de Sinésio Campos

Parlamentar afirma que encara o ato como uma ameaça devido aos trabalhos desenvolvidos na comissão

Foto: Divulgação

O deputado estadual Sinésio Campos (PT), que é presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investiga a empresa Amazonas Energia na Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam),  relatou na reunião dessa quinta-feira (04) que teve sua casa alvo de uma ação ilegal praticada pela concessionária. O parlamentar acusa a empresa de retirar, sem autorização, o medidor de energia de sua residência.

Ele acredita que essa ação seja uma espécies de retaliação pelos trabalhos que vêm sendo desenvolvidos pela CPI e que já identificaram indícios de possíveis irregularidades no procedimento de perícia dos contadores de energia. 

 “Ao chegar à minha casa encontrei o medidor de energia violado por funcionários da empresa, pois não havia autorização para o serviço, não havia ninguém em casa. Inclusive, dois lacres do medidor estavam jogados ao chão. Assim como eu fui vítima de uma ação totalmente irregular por parte dessa empresa, milhares de cidadãos também podem ser. Quem garante que sem a presença do proprietário na residência os funcionários não alteram esse equipamento?”, questionou Sinésio.

“Como presidente da CPI da Amazonas Energia na Aleam, encaro isso como uma ameaça velada, posto que somente a minha residência sofreu com tal violação. Isso não vai me amedrontar, continuarei levando até às últimas consequências a defesa da população amazonense. Essa atitude só me fortalece e me faz ter a certeza que estamos no caminho certo”, complementou o presidente da CPI, Sinésio Campos.

CPI ouve queixas da população

Ainda nesta quinta-feira, a CPI ouviu o vereador de Iranduba Luis Carlos Velho (Republicanos) e Wenceslau de Araújo Botelho, cidadão que teve um vídeo repercutido na internet após filmar funcionários da Amazonas Energia verificando a rede de elétrica de um cliente sem autorização.

De acordo com os membros da CPI, o vereador Luis Carlos Velho foi chamado para depor, na condição de convidado, diante das afirmações feitas pela Associação Amazonense de Municípios (AAM), na quarta-feira (03), em que afirmou ser precário o serviço de geração e fornecimento de energia, nas cidades do interior.

Luis Carlos Velho, que também é presidente da Comissão de Defesa do Consumidor na Câmara Municipal de Iranduba, disse que entrou com uma ação popular contra a Amazonas Energia, devido ao bloqueio de repasses da Contribuição Para o Custeio Da Iluminação Pública (Cosip) do município, e ganhou a ação. A causa rendeu, aproximadamente, 18 milhões de reais para os cofres da prefeitura de Iranduba.

“O que estava acontecendo em Iranduba acerca da arrecadação do Cosip está acontecendo em outros municípios do Amazonas. Eles estavam cobrando o ponto de iluminação pública em locais que tinham lâmpadas nos postes funcionando, locais em que não havia o funcionamento mesmo com lâmpada e locais que nunca receberam uma lâmpada. Ou seja, o contribuinte pagava por um serviço que não estava usufruindo… Resultado, ganhamos a ação e a Amazonas Energia teve que pagar, aproximadamente, 18 milhões de reais para os cofres da prefeitura de Iranduba”.

O outro depoente, o cidadão Wenceslau de Araújo Botelho, afirmou que recebeu multa de 4 mil reais, após a repercussão do vídeo filmado por ele, onde funcionários da Amazonas Energia aparecem verificando sem autorização a rede elétrica de um cliente.

“Assim que recebemos a multa procuramos o Procon e lá pediram explicação da empresa e a concessionária não tinha como provar a origem da multa, aplicou apenas para tentar nos punir”.

O presidente da CPI, Sinésio Campos, disse que agora o caso passa a fazer parte das investigações da comissão assim como tantos outros que têm chegado às suas mãos.

Denúncias podem ser enviadas para a CPI da Amazonas Energia por meio do e-mail [email protected], telefone (92) 9.8466—8350 ou ainda presencialmente na sala 408 da Aleam.

(*) Com informações da assessoria