Amigos nomeados para o Governo são “pessoas qualificadas”, segundo Wilson Lima

O governador Wilson Lima (PSC) se resumiu a justificar as nomeações de amigos, aliados políticos e pessoas ligadas ao Grupo Calderaro pelo fato de serem pessoas de sua confiança.

“Estou contratando gente em quem confio e que tem a qualificação necessária para isso”, limitou-se o governador sem explicar o fato de estar descumprindo o preceito constitucional da impessoalidade na Administração Pública.

De acordo com a Constituição Federal, o preceito ou princípio da impessoalidade garante a proteção dos interesses coletivos em detrimento de opções e preferências pessoais do governante ou de seu grupo político.

O governador não soube explicar como garantiu a impessoalidade no Governo ao nomear, por exemplo, Petrúcio Pereira de Magalhães Júnior e sua mulher, Daniele Reis de Araújo Magalhães, respectivamente para a Secretaria de Estado de Produção Rural (Sepror) e para o Fundo Estadual de Saúde (FES); ou o filho do secretário de Estado de Segurança Pública, Louismar Bonates, Luís Mário Braga Bonates, o Bonatinho, como secretário extraordinário; e mais ainda, o ex-advogado de Dissica Tomaz Calderaro, Leandro de Souza Benevides, como titular da Casa Civil e o promotor de eventos Marcelo Alex Nunes, também como secretário extraordinário.

Todos fazem parte do rol de aliados do Grupo Calderaro de Comunicação e foram amplamente “indicados” para compor o Governo.