Amom anuncia denúncia à PF e MPF sobre entrega de apartamentos populares pra parentes da filha de David Almeida

Vereador afirmou que fez, na época, denúncia de forma anônima, para não se beneficiar politicamente do ato, mas decidiu divulgar após receber ameaças

O vereador Amom Mandel (Cidadania) anunciou, durante a sessão plenária desta segunda-feira (4), que é o autor da denúncia feita ao Ministério Público Federal (MPF) e à Polícia Federal (PF) sobre o sorteio de apartamentos populares que beneficiou familiares da filha do prefeito de Manaus David Almeida (Avante) e servidores, no Residencial Cidadão Manauara II – Etapa B, localizado no bairro Santa Etelvina, na zona Norte da capital.

Em agosto de 2021, Amom fez a denúncia de forma anônima. Conforme afirmou, a intenção era de não prevaricar, ou seja, não faltar com os deveres do cargo público que ocupa, mas de forma alguma se beneficiar politicamente com o fato. Porém, após esta denúncia e a recente divulgação do dossiê dos transportes coletivos, o vereador afirmou que passou a receber ameaças.

“Naquela época, conversei com o líder do prefeito (Marcelo Serafim) e expliquei que faria a denúncia, não prevaricaria, mas que preferia, por questões políticas, não extrair capital político, não me beneficiaria, de uma situação envolvendo a filha do prefeito David Almeida. Nesse momento, no entanto, eu trago à tona o fato de que nunca havia sido ameaçado, apenas tive ações coordenadas de fake News. Até o momento em que apresentei essa denúncia e o dossiê do transporte coletivo. Se algo acontecer comigo, quero que saibam que é por conta desses episódios”, explicou Amom.

Amom afirmou que foi realizado um levantamento de informações que comprovavam o beneficiamento irregular de duas tias, nomeadas em cargos comissionados na Prefeitura de Manaus, e uma prima da filha do prefeito de Manaus. Além destas, também servidores do Instituto Municipal de Limpeza Urbana (Implurb) e da Secretaria Municipal de Educação (Semed) foram beneficiados, todos ganhando salários além do permitido como requisito pelo programa de sorteio dos apartamentos populares da Caixa Econômica Federal.

O programa é destinado a pessoas de baixa renda que moram em áreas de risco e pessoas com deficiência. O caso foi divulgado nacionalmente, mas não houve declaração de medidas efetivas tomadas pelo Executivo municipal. Todas as informações foram obtidas no Portal da Transparência da Prefeitura e encaminhadas aos órgãos de controle.

(*) Com informações da Assessoria