Amom Mandel denuncia ex-funcionários de David Reis por ‘furarem’ a fila no pagamento de indenização da CMM

A denúncia foi feita pelo vereador Amom Mandel (sem partido) durante pronunciamento na Câmara Municipal de Manaus (CMM)

amom david

Foto: Divulgação

O vereador Amom Mandel (sem partido) denunciou na tribuna da Câmara Municipal de Manaus (CMM) que ex-funcionários de David Reis, presidente da Casa Legislativa, “furaram” a fila para o recebimento das indenizações pagas pela Casa Legislativa.

A denúncia foi feita nesta segunda-feira (27), porém, o parlamentar não revelou nomes ou como o processo “fura-fila” aconteceu. O vereador disse em seu pronunciamento que recebeu diversas denúncias sobre o caso de ex-servidores que não receberam as indenizações previstas por Lei, além de identificar aqueles que furaram a fila da gratificação.

“Recebi, no âmbito da Ouvidoria da Câmara Municipal, nas minhas competências, centenas de manifestações e denúncias de ex-servidores dessa Casa que deixaram de receber as indenizações previstas por Lei. Indenizações, essas, que já estão sendo documentadas. Entre essas denúncias, ex-assessores do presidente desta Casa que furaram a fila das indenizações. Inclusive, recebemos o caso de um paciente que precisava fazer um tratamento contra o câncer e, devido à longa espera no Sistema Único de Saúde (SUS), veio a óbito porque não recebeu o que era de direito”, falou.

O Radar Amazônico entrou em contato com o vereador Amom Mandel, por meio da assessoria de comunicação, solicitando mais informações sobre a denúncia feita na tribuna da CMM. A equipe do parlamentar informou que, até o término desta semana, deve fornecer um material completo sobre os ex-servidores que “furaram” a fila no recebimento de indenizações.

A reportagem também entrou em contato com a CMM para falar sobre a denúncia feita por Amom Mandel. Até a publicação desta reportagem, não houve retorno.

Críticas

O vereador Amom Mandel vem fazendo inúmeras críticas contra David Reis. Recentemente, ele se posicionou contra a construção de um novo prédio em anexo na CMM, que ficou conhecida como “puxadinho”, e o aluguel de 41 picapes.

De acordo com o parlamentar, os projetos seriam gastos desnecessários, principalmente, por conta da crise vivida pelo Brasil nos últimos anos.

“Sou contra qualquer tipo de gasto exorbitante nesse momento econômico pelo qual Manaus e o Brasil passam. Picapes novas ou um novo prédio anexo, enquanto ainda lutamos contra uma pandemia, contra a fome e o desemprego – que atingem mais de 14 milhões de brasileiros – são inconcebíveis”, falou.

O aluguel das picapes e a construção do “puxadinho” foram autorizados por David Reis, no entanto, devido à repercussão negativa sobre os casos, eles foram suspensos.