Ana Hickmann é processada por suposta omissão em negócio de franquias

Empresária comprou franquia do Instituto Ana Hickmann e alega não ter recebido suporte da empresa para gerir o negócio

Foto: divulgação

Ana Hickmann e o marido, Alexandre Correa, estão sendo processados por uma mulher que adquiriu franquia da empresa da apresentadora, o Instituto Ana Hickmann. Hanae Takahama Shulenburg acusa a apresentadora de omissão no negócio e pede indenização de $ 167 mil por danos materiais e morais, decorrentes do desgaste emocional que teve com a franquia.

Segundo informações publicadas pela colunista Fábia Oliveira, a empresária afirma ter assinado um contrato para ter o direito exclusivo de uso da marca comercial do Instituto, a fim de explorar os serviços e produtos oferecidos. Contudo, diz ter tido que atuar sozinha para o sucesso do empreendimento, investindo seus escassos recursos, após não receber a assistência necessária por parte dos representantes da rede de franquias. Além disso, o retorno financeiro também teria sido muito abaixo do esperado: apenas R$ 3.123,83.

A informação foi publicada inicialmente pela jornalista Fábia Oliveira, do Em Off, e confirmada por Splash. Segundo o Em Off, a empresária diz ter assinado um contrato que garantia o direito exclusivo do uso da marca comercial do Instituto Ana Hickmann com o fim de explorar os serviços e produtos oferecidos.

Ao Splash, do UOL, a assessoria do Instituto Ana Hickmann disse que “o processo em questão não reflete a realidade do ocorrido e que nunca prestou informações falsas ou desamparou seus franqueados”. A empresa também afirma que prestou todo o suporte necessário à franqueada e que tentou ajudá-la de todas as formas possíveis de acordo com o contrato assinado.

“A franqueadora preza pela qualidade dos serviços oferecidos pelas suas franquias, por isso, após inúmeras tentativas para resolver este impasse, sem sucesso, recentemente entrou com um processo contra a franqueada em questão pelo descumprimento dos procedimentos padrões estabelecidos pela rede, dando suporte, inclusive, para ex-alunos da franquia referida, insatisfeitos com o serviço prestado pela franqueada”, diz o texto.