Apesar da revolta da população, Susam afirma que não falta médico no Platão Araújo

Apesar da denúncias de péssimo atendimento à população no Hospital Pronto Socorro Platão Araújo e da confirmação feita no local pelo Radar, conforme pode ser visto na matéria intitulada “Radar confirma denúncias de caos no atendimento no Hospital e Pronto Socorro Platão Araújo“, a Susam nega que isso esteja ocorrendo. Assim como contamos na matéria anterior, o secretário Francisco Deodato, mais uma vez, se negou a dar esclarecimentos ao Radar, se limitando a responder através de sua assessoria de imprensa que, por sua vez, só responde através de e-mail.

A Susam insiste que não há falta de médicos na unidade – será que dava pro secretário fazer a experiência de tentar ser atendido no hospital? -, o que contraria a denúncia de vários pacientes, entre eles idosos, que estavam esperando desde cedo por atendimento médico. Muitos inclusive, desistiram como mostrou a reportagem do Radar.

Quanto ao tempo de espera, a Susam defende o método que usa, dizendo em sua nota de esclarecimento que o HPS utiliza o Protocolo de Manchester, um sistema de classificação de risco de acordo com o grau de urgência de cada paciente. “Por se tratar de pronto-socorro, que funciona com atendimento de portas abertas, acaba recebendo pacientes com quadros de baixa e média complexidade, que poderiam ser atendidos em Unidades Básicas de Saúde (UBSs) ou Serviços de Pronto-Atendimento (SPAs), o que o sobrecarrega”, diz.

Sobre o calor infernal, no qual a população é obrigada a aguardar o atendimento na unidade, a direção do hospital informou ainda que, nesta semana, o HPS Platão Araújo receberá novos aparelhos de ar-condicionado, que substituirão as máquinas antigas, melhorando as condições de refrigeração da unidade – enquanto isso o único jeito é suportar o calor, se é que dá pra pedir isso pra uma pessoa doente, né meu povo?

Confira resposta na íntegra

A direção do Hospital e Pronto-Socorro (HPS) Platão Araújo esclarece que não há falta de médicos na unidade. Quanto ao tempo de espera, o HPS utiliza o Protocolo de Manchester, sistema de classificação de risco de acordo com o grau de urgência de cada paciente. Por se tratar de pronto-socorro, que funciona com atendimento de portas abertas, acaba recebendo pacientes com quadros de baixa e média complexidade, que poderiam ser atendidos em Unidades Básicas de Saúde (UBSs) ou Serviços de Pronto-Atendimento (SPAs), o que o sobrecarrega.

A direção do hospital informa ainda que, nesta semana, o HPS Platão Araújo receberá novos aparelhos de ar-condicionado, que substituirão as máquinas antigas, melhorando as condições de refrigeração da unidade.