Apesar de inquérito aberto pelo MPE, prefeito de Santa Isabel diz que contrato não é ilegal

Em nota enviada ao Radar, junto com pedido de Direito de Resposta (ver nota na íntegra no final da matéria), a prefeitura do município de Santa Isabel do Rio Negro não desmente que tenha contratado a empresa N. Otero Gonçalves por R$ 3, 1 milhões para serviços de infraestrutura de shows e nem que o Ministério Público do Estado (MPE-AM) tenha aberto inquérito civil para apurar supostas ilicitudes praticadas pela administração municipal no processo de contratação da dita empresa.

Na nota, o administrador de Santa Isabel expõe fatos ao Radar Amazônico que, segundo ele, são provas da legalidade do contrato milionário feito com a N. Otero Gonçalves. Vale ressaltar que todas as informações que estão na matéria intitulada “MPE investiga contrato de mais de R$ 3,1 milhões da Prefeitura de Santa Isabel” tiveram como fonte o próprio MPE na abertura do inquérito civil assinado pelo promotor de Justiça, Paulo Alexander dos Santos Beriba.

O promotor aponta “diversas irregularidades”, entre elas, vínculos pessoais do prefeito de Santa Isabel do Rio Negro, Araildo Mendes do Nascimento, mais conhecido como “Careca”, com o dono da empresa, Nivaldo Otero Gonçalves. Os dois teriam, inclusive, morado na mesma casa.

E já que a investigação está sendo feita pelo Fiscal da Lei que é o MPE, tornar-se lógico que é para este órgão que a Prefeitura de Santa Isabel do Rio Negro tem que comprovar a legalidade de seus atos. Mas, como é costume do Radar não negar Direito de Respostas a ninguém, leia na íntegra a nota enviada ao Radar pela prefeitura de Santa Isabel:

Direito de Resposta