‘Apesar de orçamento bilionário, Seduc não faz investimentos’, diz deputado ao analisar situação precária de escola em Tefé

O deputado Dermilson Chagas foi pessoalmente ao município de Tefé e constatou a veracidade das denúncias na Escola Estadual Santa Thereza

O deputado visitou a escola no município de Tefé – Foto: Divulgação

Ao receber informações sobre a falta de investimentos do Estado em escolas de Tefé, o deputado estadual Dermilson Chagas denunciou que, apesar do Governo do Amazonas ter uma receita de mais de R$ 17 bilhões, a Secretaria de Estado de Educação (Seduc) não está realizando investimentos na área de Educação. O Radar Amazônico, no último dia 08 de outubro, denunciou a situação precária em que professores e alunos da Escola Estadual Santa Thereza, situada no mesmo município, estão passando mal com o forte calor. Grande parte das salas de aula possui velhos condicionadores de ar, enquanto outras salas estão sem aparelho algum.

Diferente do que o governador Wilson Lima vem anunciando com o programa Educa+ Amazonas, que tem orçamento de R$ 400 milhões, o parlamentar tem recebido constantes denúncias de falta de estrutura, ausência de professores, falta de merenda escolar, falta de segurança dentro das unidades de ensino estaduais e nos arredores, entre outros problemas em escolas da capital e, principalmente, do interior do Estado.

O deputado Dermilson Chagas foi pessoalmente ao município de Tefé (a 523 km de Manaus, em linha reta), onde conversou com os moradores. Eles confirmaram que os alunos da Escola Estadual Santa Tereza já foram retirados das salas de aula desmaiados ou passando mal devido ao calor.

“Então, percebe-se claramente que não é falta de recursos, porque dinheiro há o suficiente. O que está faltando é planejamento, foco para detectar as prioridades e, principalmente, não utilizar o orçamento do órgão em compras indevidas, como a recente aquisição de instrumentos musicais e kits inúteis para alunos e professores, que, além de superfaturados, foram jogados fora porque a maioria dos materiais estava inutilizado já, como eu denunciei há alguns meses”, lembrou o deputado, que também ressaltou que não existe justificativa para a falta de investimentos, especialmente porque o Estado está com excesso de arrecadação tributária.

Segundo o Portal da Transparência, somente neste ano, já foi autorizado para a Seduc o montante de R$ 3.201.617.138,02 (três bilhões, duzentos e um milhões, seiscentos e dezessete mil, cento e trinta e oito reais e dois centavos).

Visita à escola

Os aparelhos de ar condicionado estavam empilhados em um dos corredores – Foto: Divulgação

O deputado fez uma visita à unidade de ensino e o local estava abandonado, sendo que nem vigia havia no local. O parlamentar criticou a falta de segurança na unidade escolar, que pode ser alvo de furtos a qualquer momento. Condicionadores de ar foram encontrados empilhados em um dos corredores da escola, sendo alguns novos e outros usados. Nenhum dos condicionadores de ar estava em caixa, o que pode prejudicar o seu funcionamento.

“Eles não foram instalados e, enquanto isso, muitos alunos passando mal por falta de ar-condicionado, com um calor terrível e uma sensação térmica horrível. O que nós podemos dizer é que o Governo do Amazonas deixou a Educação numa situação precária e, o que é pior, sem justificativa nenhuma porque há recursos suficientes”, assegurou Dermilson Chagas.

Denúncia em Tefé

Os estudantes da Escola Estadual Santa Thereza fizeram vários vídeos e postaram em suas redes sociais e no Facebook da escola, que a Seduc retirou do ar devido à repercussão negativa da situação. Nos vídeos, os alunos dão depoimentos dramáticos sobre a dificuldade de estar em uma sala com janelas e portas fechadas tendo de suportar calor, restando-lhes como única saída se abanarem com as capas de seus cadernos.

Quem tenta acessar o Facebook da escola encontra a mensagem: “Esta página não está disponível. O link pode não estar funcionando ou a página pode ter sido removida”. Na página de busca do Google, quando se digita o nome da unidade de ensino, a pesquisa da plataforma dá acesso a comentários de usuários. Todos são negativos e contêm várias reclamações sobre falta de estrutura material e de pessoal na escola.

*Com informações da assessoria