Após caso Covaxin, campanha nacional contra Bolsonaro adianta manifestações para 3 de julho

Foto: Divulgação

Após as denúncias apresentadas pelo deputado Luis Miranda (DEM-DF) na CPI da Covid, a campanha Fora Bolsonaro (fórum que reúne as organizações que encabeçaram os atos pelo impeachment de Jair Bolsonaro em 29 de maio e 19 de junho), decidiu convocar para 3 de julho nova mobilização nacional contra o presidente.

As manifestações são realizadas por todo Brasil, inclusive em Manaus, onde centenas de amazonenses foram às ruas protestar contra o governo federal no último dia 19.

Antes do caso Covaxin, a data escolhida havia sido o 24 de julho. Diante do que entenderam com mudança de conjuntura e a necessidade de aumentar imediatamente a pressão pelo impeachment de Bolsonaro, as lideranças da campanha escolheram o 3 de julho, sem cancelar as manifestações do dia 24.

Além disso, o ato de entrega do superpedido de impeachment em Brasília, na quarta-feira (30), deverá ser reforçado.

As principais pautas da campanha são a saída do presidente, aceleração da vacinação, auxílio emergencial de R$ 600 e fim da violência policial.

“Optamos por adicionar o dia 3 de Julho no calendário porque os novos fatos demonstrados pela denúncia do caso Covaxin deixam ainda mais evidentes o descaso desse governo com o povo, e incendiaram ainda mais a vontade das pessoas de ir às ruas. Dia 30 estaremos em Brasília, dia 3 no Brasil todo e nosso calendário de mobilizações continua por todo o mês de julho”, diz Iago Montalvão, presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE).

A campanha é capitaneada pelas frentes Povo Sem Medo, a Brasil Popular e a Coalizão Negra por Direitos, que reúnem centenas de entidades do chamado campo progressista. Também participam PT, PCdoB e PSOL.

Segundo Miranda, Jair Bolsonaro teria deixado de informar as autoridades sobre denúncias de irregularidades na compra da vacina indiana Covaxin que estariam sendo coordenadas pelo líder de seu governo, Ricardo Barros (PP-PR), cacique do centrão.

Pesquisa do Ipec divulgada na manhã de sexta-feira (25) mostrou Bolsonaro com 23% das intenções de voto no primeiro turno para a corrida eleitoral de 2022, muito atrás do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), com 49%.

A entrega dos pedidos contará também com um ato na Câmara dos Deputados, em Brasília, programado para as 14h30, com a presença de entidades que fazem parte da campanha Fora, Bolsonaro e da mobilização pelo superpedido, como UNE (União Nacional dos Estudantes) e MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra), além de parlamentares.

Entre as lideranças de oposição, a expectativa é a de que a repercussão do caso sirva para aumentar o tamanho das manifestações nacionais contra Bolsonaro.

“Agora se criou de fato um clima para o impeachment”, diz Guilherme Boulos (PSOL), liderança do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto) e da Frente Povo Sem Medo.

Protesto em Manaus

No último dia 19 deste mês, a população foi às ruas do centro de Manaus manifestar a insatisfação com o governo de Jair Bolsonaro.

Bandeiras e palavras de ordem marcaram o evento em que se cobrava ações do presidente em face da crise sanitária e econômica que o país passa.