Após criticar descaso do Comando Geral da PM com policiais de Iranduba, major Wilson Marques é exonerado

As críticas teriam sido feitas pelo comandante da 8ª Companhia Independente de Polícia Militar (CIPM), no município de Iranduba, Major Wilson Marques, em uma reunião na sexta-feira passada (19) com a prefeita Madalena de Jesus, outras autoridades locais e permissionários da Feira Municipal João Cândido de Medeiros. O comandante declarou, durante a reunião, que a corporação só está funcionando na cidade graças ao esforço dos próprios policiais. Conforme contou o major, os PMs pagam pra trabalhar, passam fome e ainda vêm absurdos das viaturas de Iranduba terem que ser abastecidas em Manaus, ou em Manacapuru, gastando no deslocamento a gasolina que seria necessária para o policiamento. Em boletim do Comando Geral da PM, enviado ontem ao Radar, o major é exonerado de sua função de comandante da PM em Iranduba e substituído pelo 2º Tenente Stanley Oliveira Araújo. (ver documento no final da matéria)

Essas informações vieram a público, através de matéria do repórter J. Ray da Rádio Difusora. O major Marques disse que quando assumiu o cargo, em outubro do ano passado, teve que tirar dinheiro do próprio bolso para dar o mínimo de condições estruturais ao local de trabalho. E, segundo ele, a situação não mudou.

“Quando eu cheguei aqui eu não tinha nem uma mesa e nem uma cadeira pra sentar. Tive que tirar R$ 7 mil (sete mil reais) do meu bolso pra ajeitar a minha unidade pra eu ficar despachando, atendendo e dar segurança pra sociedade”- disse o oficial, acrescentando que os policiais da 8ª CIPM não têm onde fazer refeições, a menos que paguem com o próprio dinheiro; por isso, na maioria das vezes, se alimentam mal durante as 24 horas dos seus respectivos plantões.

“Estou pagando, tirando dinheiro do meu bolso, tirando dinheiro da minha família para vir pra cá trabalhar em Iranduba”- declarou Major Marques. Ele contou, ainda, que muitas vezes passa o dia todo na Companhia sem almoçar.

O comandante da 8ª CIPM também relatou que as motos da Polícia Militar que estão em funcionamento, e até uma das viaturas de quatro rodas, que estavam sucateadas, foram recuperadas com dinheiro dos próprios policiais.

Informou, ainda, que o Posto de Policiamento Ostensivo da vila do Ariaú, reativado recentemente, vai ser reformado pelos PMs, graças ao talento de alguns militares que são carpinteiros, pedreiros e pintores.

Enquanto isso, o dinheiro que poderia dar o mínimo de estrutura à Polícia Militar local e melhores condições de trabalho aos operários da segurança pública está sendo gasto excessivamente em combustível. É que, por questões puramente burocráticas, as viaturas são abastecidas em Manaus ou em Manacapuru. E aí, só pra ir lá e voltar, já se foi o combustível, que faz falta, inclusive, para o patrulhamento da cidade, Cacau-Pirera e comunidades da zona rural.

“No horário que mais eu preciso dessas viaturas, que é de madrugada, sabe onde as viaturas estão? Em Manaus, pois elas precisam abastecer”- revelou.

O coordenador de defesa civil de Iranduba, Kenedy Maia, que faz parte da diretoria do Conselho de Cidadãos do município, anunciou que a entidade, juntamente com a prefeita Madalena de Jesus, vai procurar o governador José Melo para solicitar a ele uma solução para o caso, tanto em relação à Polícia Militar quanto ao Corpo de Bombeiros e à Polícia Civil, cujas viaturas, segundo ele, também são abastecidas em Manaus.

Vale registrar que o que mais tem em Iranduba é posto de combustíveis. Daqui até o Cacau-Pirera tem quase 10 deles.

Doc Exoneração Comandante