Após críticas a Bolsonaro e Paulo Guedes, David Almeida pede desculpas e “corre pro mato”

Pelo jeito a indignação do prefeito de Manaus, David Almeida (Avante) com o presidente Jair Messias Bolsonaro (PL), e com o ministro Paulo Guedes, por causa da política fiscal, feita através de decreto, que pode levar ao fim da Zona Franca de Manaus (ZFM), e ao desemprego mais de cem mil trabalhadores, não passava de jogo midiático nas redes sociais – nisso o prefeito é competentíssimo.  No dia de ontem, terça-feira (03), David Almeida, pediu desculpas e disse que é eleitor do presidente Bolsonaro e quer votar nele ainda.

Na segunda-feira (02), durante mais uma daquelas lambanças que o prefeito de Manaus e governador do Amazonas usam dinheiro público pra se promover politicamente até com asfaltamento de rua, David Almeida “meteu os dois pés no peito” do ministro Paulo Guedes a quem chegou a chamar de imbecil e de pior ministro da Economia da história do Brasil – qual a mentira nisso?

” Abram os olhos. Nós temos a maior inflação de todos os tempos, pior índice de desemprego, o pão e o ovo são R$ 0,50 – errou feito já que ovo está um real a unidade – a conserva é R$ 15, gasolina está quase R$ 8, o gás está mais de R$ 110, a energia está cara”, disparou o prefeito que tinha ao seu lado o governador do Estado que entrou mudo e saiu calado como se não tivesse nada a ver com o assunto.

Foi nesse momento que David Almeida chamou o ministro da Economia de imbecil e disse que Paulo Guedes quer culpar a Zona Franca pela desastrosa situação econômica em que o Brasil se encontra: “E sabe qual é o culpado para o imbecil do Paulo Guedes? A Zona Franca que significa menos de 0,9% do PIB brasileiro. Um imbecil desse que nunca recebeu um voto vem prejudicar o povo da minha cidade. A minha posição com relação a Bolsonaro é essa, eu votei nele, mas eu cobro ele, ele tem que respeitar o povo que ele elegeu….”, criticou o prefeito, lembrando que Bolsonaro teve 67% dos votos dos amazonenses.

David Almeida disse que não podia assistir passivamente Bolsonaro “acabar com nossos empregos” e chegou até mesmo a dizer que tinha “esgotado o diálogo” com o governo Bolsonaro e que a luta agora era na Justiça e ponto final.

Mas, um dia depois, David Almeida voltou atrás, pediu desculpas, disse que é eleitor – agora o verbo não está mais no passado “foi” eleitor – e quer continuar votando em Bolsonaro.

David Almeida, tirou os dois pés do peito do presidente que ele ajudou a eleger e que não está honrado com 67% do eleitorado amazonense e do ministro da Economia a quem chamou de imbecil – eu concordo em gênero, número e grau – e correu pro mato. O rompante do prefeito corredor ficou só no jogo de cena no Instagram e no Tik Tok.