Após decisão do juiz Mauro Antony, polícia está a caça de prender empresária que mandou matar a outra porque não queria dividir o amante

rivais

A empresária Elaine teria mandado matar Denise por ciúmes

A polícia do Amazonas já está montando uma verdadeira operação de “caça” para prender a empresária Marcelaine Santos Schumann, mais conhecida por “Elaine”, que está sendo apontada pela polícia como mandante do assassinato da estudante de Direito, Denise Almeida, atingida no pescoço por um tiro quando saia em seu carro do estacionamento da academia Cheik Club, no centro de Manaus, no dia 12 de novembro. Denise escapou da tentativa de assassinato.

O juiz Mauro Moraes Antony, da 3ª Vara do Tribunal do Júri, acatou o pedido do delegado Paulo Martins e da delegada Geórgia Cavalcante, da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) e decretou na tarde desta quinta-feira a prisão preventiva de Elaine que teria viajado para os Estados Unidos, assim que soube que era suspeita do crime.

ExecutoresExecutores presos

Policiais da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), efetuaram as prisões em flagrante e cumprimento a mandado de prisão na tarde de ontem (17), de Rafael Leal dos Santos, o “Salsicha”, Charles Mac Donald Lopes Castelo Branco, 27, Karen Arevalo Marques, 22. O trio é apontado como os executores de um plano para matar a Denise Almeida.

Rafael foi preso na tarde de ontem, no município de Anori, distante 195 Km de Manaus em linha reta, em cumprimento ao mandado de prisão pela tentativa de homicídio contra Denise Almeida da Silva, 35, expedido no dia 15 de dezembro, pelo juiz Mauro Antonny, da 3ª Vara Criminal. Charles e Karen foram presos na rua Miratinga, bairro Jorge Teixeira, na Zona Leste de Manaus.

De acordo com o Titular da DEHS, Delegado Paulo Martins, Rafael foi o pistoleiro que teria efetuado os disparos contra Denise, contratado por Charles, que fez a negociação do crime com a mandante identificada como Marcelaine Santos Schumann, 36, que se encontra foragida nos Estados Unidos. Karen Arevalo Marques foi quem negociou o aluguel da arma usada no crime.

Ainda de acordo com Paulo Martins, o crime teria sido motivado supostamente por ciúmes, pois, Marcelaine suspeitava que Denise estivesse mantendo um relacionamento amoroso com seu namorado. “Ela (Marcelaine), teria entrado em contato com Charles e teria encomendado a morte de Denise, pela qual pagaria R$ 7 mil pelo serviço. Charles contratou Rafael, e este receberia R$ 3 mil para matar a mulher e a arma usada foi fornecida pela Karen que recebeu de Rafael a quantia de R$ 200”, informou o Delegado.

O crime ocorreu no dia 12 de novembro, e na ocasião Rafael efetuou três disparos contra o carro da vítima, sendo que um acertou o pescoço de Denise.

Na unidade de polícia Especializada, os três foram autuados por tentativa de homicídio e após os procedimentos legais cabíveis, foram encaminhados à Cadeia Pública Desembargador Raimundo Vidal Pessoa, onde ficarão presos à disposição da Justiça.

Fotos: Fato Amazônico e Assessoria de Imprensa da Polícia Civil