Após gastar R$ 820 mil com shows, prefeito de Rio Preto da Eva declara situação de emergência por conta da cheia

Foto: Divulgação

Após um mês dos shows de Wesley Safadão, Israel Novaes e Léo Magalhães, que custaram cerca de R$ 820 mil, o prefeito Anderson Sousa (PP), que é conhecido por ser festeiro, declarou situação de emergência por 90 dias em razão da cheia do rios Amazonas, Paraná da Eva e Rio Grande. O decreto de nº 33/2022 foi assinado no dia 27 de abril, e publicado no Diário Oficial dos Municípios (DOM) na edição desta terça-feira (3).

O dinheiro, que poderia ser investido em infraestrutura como pontes e rampas de acesso, foi esbanjado e gasto na realização do 40° aniversário do município, que agora, sofre as consequências da cheia.

Além de Rio Preto da Eva, dez municípios já decretaram situação de emergência por conta da subida dos rios no interior do Estado, segundo a Defesa Civil.

No ano passado, dados de monitoramento hidro-climatológico apontavam risco de enchente dos rios do estado, acima da normalidade, para este ano nos 62 municípios do Amazonas.

De acordo com dados do Centro de Monitoramento e Alerta do Amazonas (Cemoa), da Defesa Civil do Estado, a calha do médio Amazonas está na marca de transbordamento, e se aproxima da cota de maior enchente registrada nos municípios banhados pelo rio.

Precariedade

Enquanto o prefeito de Rio Preto da Eva gasta  um alto valor no cachê dos shows dos artistas nacionais, a população de Rio Preto da Eva enfrenta sérios problemas não só na questão da cheia, como na mobilidade urbana, principalmente com a falta de estrutura e total precariedade da rodovia estadual AM-010, que resulta em constantes acidentes com vítimas fatais.