Após intermediação de Braga, ministro da Infraestrutura abre licitação para pavimentar trecho da BR-319

Após intermediação do senador Eduardo Braga (MDB), o ministro de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, homologou o processo de licitação para contratar empresa especializada para pavimentação e melhorias no “trecho do meio” da BR-319, que compreende do quilômetro 250 ao 656,40 da rodovia federal. A informação foi publicada no Diário Oficial da União (DOU), nesta sexta-feira (8) e enviada pelo ministro à Braga. (Veja documento no final da matéria)

Desde o início do ano, o senador tem intensificado a mediação entre o Ministério de Infraestrutura e as comunidades que vivem às margens da BR-319, que liga as capitais Manaus (AM) e Porto Velho (RO) para garantir o asfaltamento da estrada.

Inclusive, em agosto, Eduardo Braga enviou ao ministro Tarcísio de Freitas um vídeo que detalha cada dificuldade enfrentada por quem precisa percorrer a rodovia. O registro mostra a problemática travessia em balsas do porto Ceasa até o município Careiro da Várzea e as seguidas ocorrências de desbarrancamento, passagens de água, obras sem acabamento, pontes em condições precárias, pistas esburacadas e desniveladas, além das primeiras intervenções do governo federal no trecho entre o Careiro Castanho e a comunidade Igapó-Açu.

De acordo com Braga, a recuperação da BR-319 é uma luta contínua. “Eu, as comunidades e todos os cidadãos que a defendem estamos juntos nessa missão”, disse o parlamentar.

Edital

De acordo com o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT), o edital de licitação para contratação da empresa que vai elaborar o projeto básico e executivo de engenharia para pavimentação e melhoramentos do chamado “trecho do meio” da BR-319, é mais um passo para garantir o asfaltamento deste trecho não pavimentado da BR-319.

O edital de licitação contempla ainda obras de arte especiais, que são pontes rodoviárias. O segmento fica localizado entre os quilômetros 250 e o 656. A BR-319 é fundamental para o escoamento de produtos agropecuários da região bem como da produção industrial da Zona Franca de Manaus, além de garantir o transporte de pessoas.

Veja documento na íntegra

(*) Com informações da assessoria de imprensa