Após Japão alertar sobre mutação do coronavírus, AM envia amostras biológicas ao Instituto Evandro Chagas

Imagem ilustrativa

Após o Japão anunciar e notificar o Ministério da Saúde sobre a descoberta de uma mutação do coronavírus em quatro viajantes que teriam passado pelo Amazonas, a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM) afirmou que já foram colhidas 200 amostras biológicas de pessoas contaminadas para a realização de análises.

As amostras foram recolhidas pelo Laboratório Central de Saúde Pública (Lacen) e serão enviados para o Instituto Evandro Chagas, no Pará, onde passaram por análises a pedido do Governo Federal .

Mutação

De acordo com o Ministério da Saúde do Brasil, as autoridades japonesas notificaram sobre uma variante com 12 mutações encontradas em passageiros que passaram uma temporada no Amazonas. Uma das mutações, segundo o ministério, é a mesma encontrada em variantes já identificadas no Reino Unido e na África do Sul, que tem maior potencial de transmissão.

Porém, de acordo com autoridades japonesas, não há evidências de que esta variante é mais infecciosa e estudos estão em andamento para determinar a eficácia das vacinas já desenvolvidas contra novas cepas.

“Até o momento, não há indícios que mostram que essa nova variante encontrada é altamente infecciosa”, disse Takaji Wakita, chefe do Instituto Nacional de Doenças Infecciosas do Japão.

Confira a nota do Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde informa que no último sábado (09/01), foi notificado, por meio do Centro de Informações Estratégicas e Resposta de Vigilância em Saúde (Cievs), sobre a identificação pelo Ministério da Saúde do Japão de uma nova cepa variante do vírus SARS-CoV-2 em quatro viajantes que chegaram a Tóquio vindos do Brasil. Os passageiros desembarcaram na capital japonesa no último dia 02 de janeiro, após uma temporada no Amazonas, desenvolveram sintomas leves e cumprem quarentena no aeroporto de Tóquio.

Segundo informações fornecidas ao Ministério da Saúde pelas autoridades sanitárias japonesas, a nova variante possui 12 mutações, sendo que uma delas é a mesma encontrada em variantes já identificadas no Reino Unido e na África do Sul, o que implica em maior potencial de transmissão do vírus. Não há, no entanto, nenhuma evidência científica que aponte impacto na efetividade do diagnóstico laboratorial ou das vacinas em estudo atualmente contra a Covid-19.

O Ministério da Saúde reforça que já tomou as devidas medidas de precaução, tais como comunicação de alerta para toda a rede Cievs do país; solicitação ao Ministério da Saúde do Japão de informação sobre a nacionalidade dos viajantes e locais de deslocamento no Brasil para rastreamento de potenciais contatos; e orientação, por meio de nota técnica, do diagnóstico molecular de variantes do SARS-CoV-2 à rede de saúde. O Instituto Evandro Chagas está preparado para o recebimento de amostras para sequenciamento da variante.

A pasta recomenda, ainda, que as autoridades estaduais, municipais e Distrito Federal continuem a fortalecer as atividades de controle e investigação do coronavírus a fim de rastrear contatos em todos os casos da doença, e a ampliar o sequenciamento de rotina do vírus para identificação, tão cedo quanto possível, de novas variantes em circulação no país. O Ministério da Saúde, em parceria com a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS/OMS), segue monitorando o caso.