Após novos ataques de Ronaldo Tiradentes a um juiz, Associação dos Magistrados emite nota de repúdio


A Associação dos Magistrados do Amazonas (AMAZON) emitiu nota de repúdio, nessa quarta-feira (11) aos ataques sofridos por magistrados. Apesar da nota não citar nomes, a nota foi divulgada após os ataques do dono de rádio, Ronaldo Lázaro Tiradentes ao juiz Roberto Santos Taketomi, da 2ª Vara Cível e de Acidentes de Trabalhos em Manaus. O radialista teve mais um daqueles seus costumeiros ataques de fúria após decisões proferidas pelo magistrado proibindo Tiradentes de fazer acusações sem provas e ofender moralmente o senador Eduardo Braga (MDB) e sua família. Por descumprir determinações judiciais e persistir na prática de usar uma concessão pública para perseguir e ofender moralmente o o senador Eduardo Braga, Ronaldo Tiradentes foi condenado a pagar multas que chegam a R$600 mil reais.

“Expressamos irrestrita solidariedade aos magistrados atingidos em sua honra e em sua imagem no exercício legítimo de suas funções, por meio de divulgações com objetivos claros de ofender e denegrir o trabalho, personalidade e até a intimidade desses profissionais em flagrante desrespeito à Carta Magna do País e afetando de forma ampla a independência judicial de toda a magistratura amazonense ”, afirma a diretoria da Amazon.

Ao todo, Ronaldo Tiradentes já foi condenado por ofensas e por descumprir por sete vezes decisões judiciais envolvendo ataques ao senador Eduardo Braga. A medida, para o juiz Taketomi, foi vista como perseguição. “O volume de acusações, o modo verbalmente violento, agressivo, contundente de apresentação dessas informações ao público em geral, e a repetição rotineira desse método de agir extrapolam a liberdade de expressão e de imprensa”, considerou o juiz.

Segundo a Justiça, de forma contínua e diária, utilizando seu programa e redes sociais, Ronaldo Tiradentes tenta mudar os fatos para atender seus anseios políticos com nítido interesse de abalar a reputação e a honra do parlamentar com informações falsas.

A atitude de ataques pessoas foi combatida pela associação. “A discordância em relação às decisões judiciais é salutar e pode e deve ser levada à frente pelos meios legais existentes e disponibilizados para tal finalidade. Causa estranheza, no entanto, a perseguição pública a magistrados execrados publicamente sem quaisquer provas ou motivo justo, demonstrando uma incapacidade do ofensor de conviver em ambiente democrático, além do seu desprezo pelas Leis que repelem esse tipo de prática, incluindo as de assédio”, rebate a nota.

Após as condenações, Ronaldo Tiradentes passou a praticar ataques pessoais ao juiz Roberto Taketomi, com matérias e reportagens agindo com perseguição pessoal ao juiz, em cenário similar ao procedimento adotado com Eduardo Braga, que a justiça tratou como perseguição e impôs multas a Tiradentes.

Mas a praticar de perseguir, ofender e acusar sem provas não é algo direcionado exclusivamente ao juiz Roberto Taketomi ou ao senador Eduardo Braga. O radialista já fez isso com outros juízes, como por exemplo Fabio Alfaia, assim como contra o promotor público Rafael Del Castillo e até mesmo contra a esposa do promotor. Tiradentes direcionou ofensas morais e xingamentos impublicáveis a jornalistas, a uma médica, a um servidor de carreira do Tribunal de Contas do Estado (TCE-AM) que estava apenas fazendo seu trabalho de inspeção nos contratos da empresa do empresário com a Seduc, a um  procurador do Ministério Público de Contas (MPC).

Nem mesmo o então governador Amazonino Mendes escapou de xingamentos como “fanfarrão e preguiçoso” por parte do radialista mineiro. Os únicos que recebem elogios do empresário são figuras políticas como o ex-governador José Melo e o atual governador Wilson Lima, com quem Tiradentes tem contratos de até R$ 46 milhões.

Confira a nota na íntegra: