Após perder concessão do Maracanã, Odebrecht cobra R$ 200 mi do RJ

Uma das três empresas responsáveis pela reforma do Maracanã em 2014, ao lado de Andrade Gutierrez e Delta Engenharia, a Odebrecht cobra R$ 200 milhões do Rio de Janeiro em função de quatro equipamentos prometidos no edital de 2013 e não entregues pelo governo fluminense.

São eles o estádio de atletismo Célio de Barros, o parque aquático Júlio de Lamare, o Museu do Índio e a escola Friedenrich.

A cobrança por parte da empreiteira ocorre após o governador do Rio, Wilson Witzel, ter anunciado ontem (18) o cancelamento da concessão do estádio.